Promessa de Sangue

A saga continua e uma vez mais o amor tem de superar todas as dificuldades. A vida de Rose Hathaway nunca mais será a mesma… O recente ataque à Academia São Vladimir devastou por completo o mundo dos Moroi. Muitos morreram e os poucos que foram levados com vida pelos Strigoi esperam um destino ainda pior… Porém, apenas uma vítima importa: Dimitri Belikov. Rose vai ter de escolher entre cumprir a sua promessa e proteger Lissa – a sua melhor amiga e a última das princesas Dragomir – ou abandonar a Academia e dar caça ao homem que ama. Deverá Rose ir até ao fim do mundo para encontrar Dimitri e cumprir a promessa que ele lhe suplicou que fizesse? Terá ela força para destruir Dimitri ou irá sacrificar-se pela oportunidade de um amor eterno?




ISBN: 9789896661137 – Contraponto / 2011 – 384 páginas

Neste quarto volume da série de Richelle Mead, Academia de Vampiros, Rose encontra-se numa fase decisiva da sua vida. Depois do ataque massivo de Strigoi de que a Academia St. Vladimir foi vítima, Rose só pensa em procurar Dimitri Belakov, que foi uma das vítimas deste massacre. 
De todos os sítios em que Rose pensa em procurar Dimitri para realizar uma promessa antiga entre eles, Sibéria parece o lugar mais provável de o encontrar. E assim Rose parte para a viagem da sua vida, que acaba por se revelar uma viagem muito estranha e com mais sobressaltos do que ela estava à espera.
E não é só isso. Abandonar a Academia antes de se graduar como guardiã oficial, tem os seus custos. Para ir à procura de Dimitri, Rose teve que escolher entre a sua melhor amiga Lissa e o amor da sua vida. E esta não é uma escolha fácil. Ainda mais quando se torna claro que as coisas nos Estados Unidos e com Lissa também não estão muito calmas. O perigo espreita em todo o lado. 

Eu ando completamente viciada nesta série e as expectativas para este quarto volume, Promessa de Sangue, eram muito elevadas. Depois do final emocionante do terceiro livro, a leitura deste era obrigatória e mal podia esperar para saber o que iria acontecer. Demorei um pouco mais de tempo, porque as obrigações não me deixaram ter mais tempo para ler, mas confesso que até acabou por ser bom e ter as suas vantagens. Andava tão ansiosa para saber mais, que cada vez que lia um mero parágrafo, sentia tudo com uma intensidade diferente. Para mim, este quarto livro é o mais intenso de todos. Para já, é um livro de mudança. Tudo aquilo que tomámos como garantido até agora, já não o é e por isso é impossível saber o que esperar deste livro, a não ser que o leiamos com sofreguidão. 
Acho que foi um livro que nos mostrou um outro lado da Rose. O lado mais vulnerável dela, que sobressai mais quando se fala sobre o Dimitri e foi interessante ver o que é ela é capaz de fazer por amor. 
Além disso, também é interessante ver que para ela, o dever é muito importante e ela tem uma moral inabalável. Gostei imenso de conhecer esta face de Rose e creio que foi uma leitura óptima por isso mesmo. Não só os leitores tiveram oportunidade de ver um cenário diferente, como de conhecer um novo lado dos personagens de que tanto gostamos.

Aparte dos novos desenvolvimentos deste livro, posso dizer que a escrita da autora continua cativante como sempre. É uma narrativa muito fluída e muito mexida. Até quando nos encontramos nos momentos mais calmos, é perceptível aquela tensão, aquela expectativa que nos prepara para um momento de acção mais intensa. 
Por estes factores, esta continua a ser uma série que me agrada e muito. Escusado é dizer, que chegada ao final desta leitura, mal posso esperar para ler o quinto e que os meus níveis de ansiedade andam descontrolados. 

Não querendo dar spoilers para não estragar a experiência a alguém, este livro acabou por suscitar em mim dois sentimentos muito diferentes: raiva e desespero. Não é assim tão mau quanto parece. A verdade é que esta leitura é daquelas frustrantes. Não porque é má, muito pelo contrário. É porque quando temos um investimento pessoal na história, nas personagens e nos livros, a experiência de leitura torna-se muito mais intensa. E foi isso que se passou comigo. Às tantas andava já desesperada por não ter respostas instantâneas. 

Contudo, a espera torna as coisas muito melhores e tenho a certeza que quando chegar a vez de eu pegar no quinto volume, a leitura vai saber bem melhor. 

Entretanto, tenho uma má notícia para os leitores que lêem em português esta série. A Contraponto anunciou na sua página de facebook, em resposta à pergunta de uma leitora, que não prevê lançar mais volumes desta série. O que é extremamente lamentável, visto que apenas faltavam 2 livros para a série acabar. Podemos sempre contar com as editoras portuguesas para levar a cabo publicação de séries na integral. É o que nos vale (ironia). 

O Beijo das Sombras

A Primavera chegou à Academia de São Vladimir, e Rose Hathaway está quase a graduar-se. Chegou também o momento em que Rose tem de lidar com os seus pensamentos cada vez mais sombrios, o seu comportamento errático, e pior que tudo, ela acha que anda a ver fantasmas… Tudo isto porque teve de matar os seus primeiros Strigoi. 
E enquanto Rose põe em dúvida a sua própria sanidade mental, novas complicações se avizinham: Lissa recomeça as experiências com a sua magia, o seu inimigo Victor Dashkov pode ser posto em liberdade, e a relação proibida de Rose e Dimitri aquece mais uma vez. Mas quando uma ameaça mortal que ninguém podia prever transforma todo o seu mundo, Rose terá de arriscar a própria vida e escolher entre as duas pessoas que mais ama.
 
 
ISBN: 9789896660284 – Contraponto / 2011 – 336 páginas
 
Depois de Rose e os seus amigos terem sido raptados por um bando de Strigoi, que andam atrás dos membros das famílias reais dos Moroi para os matar e exterminar a raça de vampiros, é inevitável que a vida na academia esteja algo diferente. Rose, que já era conhecida no meio social da escola onde anda a treinar para ser guardiã de Lissa – a sua melhor amiga – acaba por se tornar ainda mais conhecida, mas não pelas razões que ela talvez gostaria. 
O ambiente na escola é algo pesado, pois os últimos acontecimentos não são exactamente felizes. Especialmente quando Rose descobre que Victor – seu antigo inimigo – só agora irá ser julgado e que poderá existir uma possibilidade (ainda que ínfima, que este possa sair em liberdade). Além disso, Victor é a única pessoa que sabe da atracção que existe entre Rose e o seu mentor sete anos seu sénior, Dimitri. O medo de que Victor diga a verdade acaba por desgastar Rose, que está a seis meses de se graduar como guardiã. Quando começa a ver fantasmas, à primeira, culpa o seu estado de stress, mas parece que afinal, os tais fantasmas que ela está a ver, têm um aviso muito importante para lhe dar…Eles vêm aí!
 
O final do segundo livro da série Academia de Vampiros, Beijo Gelado, acabou de uma forma propositadamente aberta e intensa, para criar expectativa nos leitores. Logo que acabei esse livro, passei para o terceiro porque não conseguia esperar para saber o que ia acontecer a seguir com Rose e companhia. 
Quem tem acompanhado o blogue nos últimos dias, já se apercebeu que eu ando completamente viciada nesta série de Richelle Mead. Não tenho lido mais nada e estes livros têm sido uma surpresa muito boa dentro deste género literário. Nunca esperei ficar tão “agarrada” a estes pequenos livros, mas a verdade é que não tenho conseguido pensar em mais nada se não ler mais, para conseguir descobrir qual é o passo que vem a seguir.
A escrita da autora é agradável, com um discurso que fluí de maneira muito natural. O leitor rapidamente entra neste mundo e sente-se mesmo parte integrante do mesmo. Os personagens são cativantes e o enredo é sempre cheio de movimento e acção.
Por outras palavras, estes livros são uma mistura de mistério, acção e romance. Tudo no mesmo pacote. E escrita da forma dinâmica como Richelle Mead faz, quem é que consegue resistir?
Eu pelos vistos, não. 
 
Este terceiro livro não foi nenhuma excepção. Já estava à espera de gostar e tinha algumas teorias para o que pudesse vir a acontecer. À semelhança dos livros anteriores descobri umas coisas, fiquei surpreendida com outras. É um livro com bastante acção, tal como os outros. E por isso, é impossível que haja algum momento mais aborrecido. 
Contudo, este livro acabou por se revelar ligeiramente diferente dos seus antecessores. Isto porque a relação entre o Dimitri e a Rose é explorada de uma forma diferente e mais definitiva neste terceiro volume. Creio que este poderá ser um dos picos mais altos na relação deles (que eu tanto adoro). 
A Rosa deste livro também é diferente. É uma Rose mais crescida, quase a perfazer os 18 anos de idade. É uma Rose que apesar de tão nova, já viveu muito e já passou por muito. E que, mesmo assim, se levantou e continuou a viver. E a crescer. 
Gosto imenso de como todos os personagens da autora têm evoluído neste série. Tem sido um prazer ver como é que a autora lida com todas as personalidades diferentes que criou e a forma como as faz crescer e evoluir está muito bem pensada. 
Como já disse noutra opinião, são personagens que valem a pena conhecer. 
 
Confesso que o final deste livro me deixou boquiaberta. Cheguei ao fim e mal conseguia respirar de ansiedade. Fui apanhada completamente desprevenida e admito que tenho um pouco de receio de como a história poderá evoluir a partir daqui. Contudo, tenho fé que a autora vá escrever outro sucesso, porque até agora não estou desiludida com a forma como a história se tem desenrolado. 
Vamos lá ver como é que a série se vai processar a partir deste momento sem igual. Tenho a sensação de que o quarto livro vai ser um ponto de viragem na Academia de Vampiros muito importante. 
 
Opiniões da mesma autora:
 
 

Beijo Gelado

Rose Hathaway não está a atravessar uma boa fase: o seu deslumbrante mentor Dimitri parece gostar de outra pessoa e em contrapartida o seu amigo Mason tem um fascínio enorme por ela. Para piorar a situação, Rose não consegue quebrar a ligação mental com a sua melhor amiga, Lissa, mesmo quando esta está com o namorado, Christian. Entretanto, perante a iminência de um ataque Strigoi, a Academia de São Vladimir decide tornar a viagem anual de esqui obrigatória a todos os alunos e juntar os guardiães, inclusive a lendária Janine Hathaway – a ausente mãe de Rose. Iludidos pela falsa segurança da paisagem cintilante e elegante do Idaho e na ânsia de vingar as vítimas dos últimos ataques dos Strigoi, três estudantes resolvem fugir para tentar encontrar e exterminar sozinhos um perigoso grupo de assassinos. Rose vê-se então obrigada a associar-se a Christian para os salvar, só que desta vez a jovem irá sujeitar-se a perigos que nunca imaginou ter de enfrentar.
ISBN: 9789896660420 – Contraponto / 2010 – 256 páginas
 
Seguindo os acontecimentos do primeiro livro, Rose Hathaway continua a ser a guardiã não oficial da sua melhor amiga, Lissa Dragomir. Embora Rose esteja determinada a defender Lissa para o resto da sua vida, dos Strigoi e do mundo exterior à academia onde elas estudam, ainda não está realmente preparada.
Por isso é que continua a ter aulas de combate com o seu mentor, Dimitri. Mas nem tudo é como Rose desejava. É que cada vez mais, começa a ter sentimentos pelo seu mentor, por mais inapropriado que seja. Não é só a diferença de idades que os impede de investir numa relação mais séria. É a preocupação de poderem esquecer o dever de cada um deles: proteger Lissa e metê-la sempre em primeiro lugar. 
É por isso que Rose vê a possibilidade de umas férias como um bálsamo. Para limpar a cabeça de todos os pensamentos de Dimitri e daquela que aparentemente, é a sua nova paixão. Contudo, as férias acabam por sair para o torto, quando três dos seus colegas da academia decidem ir procurar e enfrentar um ajuntamento de Strigoi e acabam por ser raptados por estes. Rose acaba por ter que ir atrás deles para tentar salvá-los, tendo em conta que ela própria foi uma das coisas que motivou a atitude dos seus amigos. 
 
Este é o segundo volume da série Academia dos Vampiros da autora Richelle Mead. A minha estreia com esta autora foi deveras positiva e foi com entusiasmo que comecei este segundo volume. Estava ansiosa para conhecer melhor a Rose, Lissa e companhia. Também, claro, queria saber mais sobre o Dimitri, que me conquistou logo no primeiro capítulo. 
Já sabia mais ou menos o que esperar e a verdade é que este livro, foi em si mesmo, uma surpresa muito boa. 
À semelhança do primeiro volume, é um livro de fácil leitura. A escrita da autora é muito fácil de seguir, é agradável e é bastante cativante. Atrai o leitor com uma facilidade incrível e até eu, que não sou propriamente fã de young-adult, me senti como parte integrante deste mundo.  A trama,  embora expectável, foi dinâmica e cheia de movimento e acção. 
De facto, a única grande diferença deste livro para o anterior, foi o ritmo da açcão. Este Beijo Gelado foi um livro que nunca parou, de modo que um leitor como eu, é incapaz de parar até que chegue até à última página. 
 
Contudo, além da narrativa bem trabalhada da autora, aquilo que eu mais aprecio nesta autora (até agora) é a forma como constrói os seus personagens. Na minha opinião ao primeiro livro, Academia dos Vampiros, tinha referido que estes personagens são algo incaracterísticos deste género literário, simplesmente, porque são personagens muito completas e muito bem pensadas. Não quero com isto dizer que não existem outros livros dentro do young-adult que tenham personagens tão completos quanto estes. De facto, já tive imensas surpresas dentro deste género. E continuo a ficar exultante quando vejo que é possível criar personagens dinâmicas, interessantes e realistas. Que valem a pena conhecer e acompanhar. 
Embora, novamente, tenham existido algumas atitudes por parte da Rose que eu não tenha apreciado, é impossível não reconhecer que a Rose vai aprendendo e evoluindo. 
 
Já a relação entre ela e o Dimitri não é a típica deste género. E talvez seja por isso que eu também estou a gostar de conhecer esta série. Este não é daqueles romances onde as preocupações adolescentes normais e usuais são a principal prioridade. De facto, até quase nem entram na lista das prioridades. É daquelas relações que derretem e frustram qualquer coração. É aquele sentimento de indecisão, de não saber como será o dia de amanhã que mais me atrai nestes dois personagens. Ambos sabem o que cada um sente pelo o outro e embora não possam ter estar romanticamente ligados por diversos obstáculos, é impressionante aqueles momentos fugazes e cheios de significado que eles têm. São momentos breves dentro da linha da narrativa, mas são tão intensos que parece que enchem muito mais páginas do que realmente fazem.
 
Este segundo volume acabou por me agradar também. E até uma surpresa, visto que li este livro num dia e fiz noitada com a ânsia de ler mais um capítulo, só mais um capítulo.  
Estou sinceramente contente por ter finalmente decidido experimentar esta autora e esta série de vampiros. Até agora está a valer a pena, vamos ver como corre o resto da  experiência. 
Sem dúvida que recomendo a quem gosta deste género literário. Àqueles que acham que não gostam, talvez um dia queiram experimentar pelo sabor da descoberta, talvez se surpreendam. Ou talvez não. Mas quem sabe…
 
 
Opiniões da mesma autora:
 
 
 
 

Academia de Vampiros

Lissa Dragomir é uma princesa Moroi – um vampiro mortal com um laço inquebrável com a magia da Terra – e deve por isso ser protegida dos Strigoi, os vampiros mais ferozes e mais perigosos – os que nunca morrem. Rose Hathaway, a melhor amiga de Lissa, é uma Dhampir – nas suas veias corre uma poderosa mistura de sangue de ser humano e de vampiro. Rose tem como missão proteger Lissa dos Strigoi, que tentam por todos os meios tornar Lissa uma deles. Após dois anos de uma liberdade proibida, Rose e Lissa são apanhadas e arrastadas de volta à Academia São Vladimir, escondida nas profundezas da floresta de Montana. Aí, Rose deverá continuar a sua educação de Dhampi, enquanto Lissa será educada para se tornar a rainha da elite Moroi. E ambas voltam a quebrar corações na Academia. No entanto, é dentro dos portões de ferro de São Vladimir que a segurança de Lissa e Rose está mais ameaçada. Os horríveis e sanguinários rituais dos Moroi, a sua natureza oculta e o seu fascínio pela noite criam um enigmático mundo repleto de complexidades sociais. Rose e Lissa vêem-se forçadas a deslizar por este perigoso mundo, resistindo à tentação de romances proibidos e nunca baixando a guarda, ou os Strigoi farão de Lissa um deles para a eternidade…
ISBN: 9789896660901 – Contraponto / 2011 – 264 páginas

Rose Hathaway e Lissa Dragomir são melhores amigas e Rosa é a guardiã de Lissa. Os guardiões são chamados dhampir, metade humanos e metade vampiros. São os guarda-costas dos Moroi, raça de vampiros que têm uma ligação íntima com magia. Respeitam os seus poderes e levam uma existência de harmonia com a Terra. As doze famílias reais dos Moroi são aqueles que poderão num futuro próximo ser o próximo líder da raça e por isso, a política é muito importante. Lissa é a única sobrevivente da família real Dragomir e por isso, a pressão está sempre presente no seu dia-a-dia. Muito mais agora que ela e Rosa descobrem que Lissa tem poderes únicos e algo perigosos para a sua própria existência. 
Por isso, acabam por fugir da escola privada que frequentam – Academia de São Vladimir.  Contudo, dois anos depois desta fuga, são apanhadas pelos guardiões da Academia e Rose acaba por ter que recuperar o tempo perdido com mais aulas e mais treinos, se quiser tornar-se guardiã oficial de Lissa. O seu mentor é Dimitri, um dhampir russo de 24 anos, que é irresistível em todas as frentes. 
Entre os dois, começa a nascer uma atracção inegável, mas além dos sete anos que os separam – que é um obstáculo para uma possível relação entre eles – o dever tem de ser a única prioridade dos dois. 
E essa prioridade chama-se Lissa, que anda a ser perseguida por alguém que quer controlar os seus poderes únicos. Serão os Strigoi, os vampiros imortais que querem acabar com a existência dos vampiros Moroi?

Esta série – Academia dos Vampiros – da Richelle Mead sempre me suscitou alguma curiosidade. No entanto, quando a moda dos vampiros se tornou incomportável, deixei de ter vontade de ler estes livros. E por isso, este livro esteve quase um ano à espera para ser lido. Finalmente voltei a ter vontade de lhe pegar e escolhi estrear-me com esta autora, entrando neste novo mundo com algumas expectativas. 
Apesar das expectativas, bem lá no fundo, não sabia o que esperar. Como se sabe, eu não sou propriamente fã do género young-adult, mas tenho que reconhecer que já tive imensas e boas surpresas. Existem aqueles livros que não são nada de especial e que se tornam chatos por terem todos aqueles dramas intermináveis adolescentes e triângulos amorosos que são escritos de maneira pouco inventiva ou mesmo cativante. 
Mas como já tinha visto boas opiniões a este livro tive alguma esperança que este se revelasse ser um bom livro dentro deste género. 
E sinceramente, gostei bastante da estreia. Surpreendeu-me bastante pela positiva.

A escrita da autora é muito boa. Embora as primeiras 100 páginas da narrativa tenham evoluído de forma um pouco lenta e vagarosa, o resto do livro leu-se num instante. Como digo, a escrita de Richelle Mead é cativante e fácil de seguir. O enredo do livro até é algo original, tendo em conta que vampiros é uma temática já muito batida. Gostei sinceramente do mundo que ela criou e conseguiu de facto agarrar o meu interesse. 
Ao início, como acontece em qualquer início de série, fiquei um pouco confusa com as particularidades de cada espécie (Moroi, Strigoi e Dhampir) mas rapidamente se apanha o jeito da coisa. 
Este livro também tem uma ponta de mistério e esse revelou ser mais um factor positivo para que a leitura deste livro fosse uma agradável. E confesso que fui surpreendida com o vilão. Apesar de agora parecer algo óbvio, na altura em que estava a ler o livro e a acompanhar a história, não desconfiei que o vilão fosse quem se revelou ser. 
Além disso, os personagens não são o típico young-adult (ou pelo menos o típico que eu não gosto nestes livros). Rosa é daquelas personagens que ainda hesita em algumas coisas, mas que é uma pessoa muito mexida, determinada e tem um carácter único. Tem sempre uma resposta na ponta da língua e apesar de ela ter tido algumas atitudes durante o livro com as quais não concordo, posso dizer que foi uma personagem que me surpreendeu. 
Já o Dimitri não é o típico herói deste tipo de livros. Para já é bem mais velho que a Rose e logo por aí, é algo que o distingue neste mundo young-adult. É uma personagem muito forte, igualmente determinada e é daqueles bad-boys a que ninguém consegue resistir. Tem um sentido de moral muito claro e é um profissional nato naquilo que faz. Confesso que estou ansiosa para o conhecer melhor. 

E podia dizer bem de todos os outros personagens (de importância) que apareceram neste livro. O conjunto de personagens deste livro admirou-me pela sua construção, pelas suas personalidades e por serem tão realistas, apesar de não estarmos a falar de meros humanos. 
Com isto, posso dizer que é um livro de leitura muito fácil que consegue agarrar a atenção do leitor com muita facilidade. A entrada para este mundo faz-se de uma forma algo subtil, mas ao chegar ao final deste primeiro volume, sente-se a necessidade de continuar. Para saber mais, para viver mais. 

E é por isso que passei instantaneamente para a leitura do segundo livro da série. Espero que seja uma surpresa tão boa quanto este livro foi.
Este Academia de Vampiros marcou uma estreia óptima para a autora Richelle Mead.