Amar em Francês

Um único dia em Paris altera a vida de três pessoas decididas a explorarem a cidade com os seus professores de Francês. Mais do que a língua do país, aprenderão a língua do amor e da perda, e as suas vidas cruzar-se-ão de formas surpreendentes. Josie, Riley e Jeremy viajam para Paris por razões diferentes. Josie, uma jovem professora de liceu, chega na esperança de curar um coração partido; Riley, uma espirituosa mas solitária dona de casa expatriada, luta para sentir alguma ligação ao marido e ao novo país. E Jeremy, o reservado marido de uma famosa atriz, veio acompanhar a mulher na rodagem de um filme, mas sente-se distante do mundo dela. Ao travarem conhecimento com os seus professores de Francês — Josie com Nico, um sensível poeta; Riley com Philippe, um inveterado conquistador; e Jeremy com a bela Chantal — sucumbem à inevitável paixão e a imprevisíveis aventuras na Cidade-Luz. À medida que atravessam as grandiosas avenidas e sinuosas ruelas de Paris, Josie, Riley e Jeremy desvendam surpreendentes segredos acerca do seu passado e acabam por encarar de frente algumas verdades há muito escondidas.

ISBN: 9789899711662 – Noites Brancas (Clube do Autor) / 2012

Chantal, Phillipe e Nico são três professores de francês. 
Jeremy, Riley e Josie serão respectivamente os alunos de cada um, durante um dia em Paris. Estas três pessoas viajaram para Paris por motivos diferentes, mas vão encontrar soluções muito similares para cada um dos seus problemas. Jeremy, que é casado com a fama sente-se infeliz no seu casamento. Riley, dona-de-casa inveterada sofre diaramente a tentar criar uma ligação com o país em que vive e  com a pessoa com quem está casada. E por fim, Josie aterrou em Paris na esperança de curar o seu desgosto amoroso.
No entanto, não são apenas os alunos que irão aprender alguma coisa com este dia único na cidade internacional do romance. É que estes três professores também precisam de enfrentar vários demónios pessoais. Será que irão conseguir?
Estes três alunos estão determinados a aprender a língua com os seus respectivo professores, mas não esperaram que uma lição de francês se revelasse uma lição de vida. É que além de aprenderem a língua, estes alunos irão aprender a cultura francesa, aprenderão a olhar para o país e para os seus costumes e aprenderão a olhar para a vida de outra perspectiva, até que percebam que a vida deles não acabou ali. Está, antes, a começar. E para poderem seguir com a vida de cada um, estes três alunos vão ter que, finalmente, enfrentar e derrotar os seus demónios e piores receios. A verdade está prestes a revelar-se difícil de enfrentar, mas será uma viagem reveladora que valerá bem a pena.

Desde que este livro saiu em inglês que estava de olho nele. Fiquei exultante quanto descobri que a chancela Noites Brancas iria no início de 2012 editar a obra da autoria de Ellen Sussman. E fiquei ainda mais entusiasmada quando a  Denise, do Há Luz no Fundo do Túnel acedeu a emprestar-me esta obra para eu poder ler. Quero desde já agradecer do fundo do coração a oportunidade, Denise.

Bem, as expectativas quanto a esta leitura eram praticamente nulas. Confesso que a esperança de que pudesse vir a gostar deste livro era grande, pois o livro parecia tão querido que não quis apanhar nenhuma desilusão. Contudo, agora que cheguei ao fim desta viagem me sinto um pouco dividida. Eu gostei bastante da escrita da autora e da ideia que ela teve de cruzar a vida destas 6 pessoas, que fizeram 3 pares românticos entre si. Achei o enredo muito original e acho que a autora fez um óptimo trabalho a envolver os leitores no ambiente criativo e romântico que se vive na capital francesa. Embora o livro seja muito pequeno, com umas meras 236 páginas, acho que a autora conseguiu desenvolver a ideia de uma forma inteligente. Não muito extensa, mas também sem deixar (muitas) pontas soltas. 
Mas por outro lado, divido-me muito no que toca à exploração das personagens. Gostei imenso da maneira como a autora explorou e desenvolveu as personagens dos alunos: Jeremy, Riley e Josie. Mas no que toca às personagens dos professores, o seu desenvolvimento deixou muito a desejar. Não senti nenhuma ligação com estas três personalidades e muitas vezes fiquei irritada com as visões de vida da cada um. 

O livro é muito leve, tem partes românticas e divertidas. Tem partes igualmente inspiradoras, que me conseguiram levar até à cidade de Paris, mas no entanto, não senti uma ligação muito grande com o livro. Isso fez com que tivesse gostado da experiência, mas fez também com que não me sentisse arrebatada pelas circunstâncias. De facto, tenho que referir o final do livro, que para mim, foi como um golpe baixo. Não queria que o livro tivesse o desfecho que acabou por ter e não fiquei nada contente. 

Somando tudo, recomendaria a leitura deste livro a quem gosta de livros que falem sobre mudar a vida, tomar decisões, enfrentar erros passados. Mas recomendaria sobretudo a quem gosta de Paris, a cidade do amor. 


   



De Que São Feitos os Sonhos

Quando Holly Maguire herda a «Camilla’s Cucinotta», a escola de cozinha italiana da avó, dezasseis alunos inscritos no curso de culinária desistem. Afinal, Holly não é Camilla, conhecida por ser a «deusa do amor», cujos molhos secretos possuem propriedades afrodisíacas e cujas adivinhações têm o poder de mudar a vida dos seus alunos. Holly é uma mulher de trinta e dois anos, desencantada com a vida, que nem sequer sabe cozinhar. Mas depois da morte da avó, decide manter vivo o seu legado. Armada do caderno de receitas de Camilla, Holly acolhe os novos alunos: Mia, uma menina desesperada por aprender a cozinhar para impedir o pai de casar com a namorada imbecil; Juliet que chora a filha perdida; Simon, que se esforça por ser um pai presente para a filha depois do divórcio; e Tamara, que anseia pelo verdadeiro amor. Todas as receitas de Camilla incluem desejos e memórias, tristes ou doces. Misturando desejos ardentes e memórias agridoces com molhos apetitosos e deliciosos pratos italianos, Holly e os seus alunos acabam por criar as suas próprias receitas para a felicidade e descobrir que, afinal, o futuro pode ser bem doce… 



ISBN: 9789899711648 – Noites Brancas (Clube do Autor) / 2011



Melissa Senate faz finalmente a sua estreia em Portugal, cortesia da editora Noites Brancas, uma chancela do grupo “Clube do Autor”. Quero aproveitar, antes de mais, para felicitar a editora pelo seu trabalho – esta edição está muito bonita e o cuidado com a tradução, notável. Esta obra, que foi apelidada de romance mágico do ano, eleva assim as expectativas do público de uma maneira exponencial. As críticas da imprensa são igualmente lisonjeadoras e assim, é impossível resistir à leitura do livro, nem que esta seja apenas para poder comprovar se as críticas estão ou não correctas. Eu não fui excepção e não resisti a ler este livro. 


Camilla Constantina, cozinheira exímia e conhecida na sua ilha de residência pelos seus dotes culinários e também pelos supostos dotes de sapiência é dona de uma escola de cozinha italiana chamada “Camilla’s Cucinotta”. Quando esta morre, a escola é deixada como herança à sua neta, Holly Maguire. 
Holly há muitos anos que deixou de acreditar no poder da culinária. Desde que acidentalmente, fez uma sanduíche para a sua avó que continha veneno de rato, ganhou um medo irracional às cozinhas e à arte de cozinhar. Mas agora que é dona da escola de culinária da avó, tem que dar o exemplo e tornar-se uma cozinheira, senão admirável, pelo menos mediana. Ainda que Holly ache que nunca conseguirá chegar ao nível da avó, deseja ser uma professora aceitável para os alunos que se inscreveram no seu curso e poder continuar a leccionar o curso de cozinha italiana que tanto sucesso tem tido ao longo dos anos, pelas mãos de Camilla. 
Holly, que anda triste com a sua própria vida e desejando desesperadamente a felicidade e um amor verdadeiro, vai conjuntamente com os seus alunos aprender que a culinária e as receitas que aí são criadas na pequena cozinha da sua escola, podem mudar muita coisa que não apenas as habilidades culinárias….E vão aprender que a felicidade pode estar ao alcance de todos eles, basta que eles consigam agarrá-la e mantê-la. 


Para ter, basta querer.


Este é o típico livro considerado literatura feminina. Já não é a primeira vez que a culinária é usada como justificação para escrever os mais variados tipos de obras. E este não é o primeiro livro deste estilo que eu leio. De qualquer forma e sendo eu uma fã entusiasta de comida italiana, vi desde início este livro com outros olhos. 
A escrita da autora é muito envolvente e todo o enredo fluiu de uma forma muito natural. As personagens, apesar de pouco aprofundadas, foram bem construídas e exploradas da melhor forma. 
O enredo, que todo ele gira à volta de Holly e de culinária, tornou esta uma leitura muito prazenteira. Além da culinária, a vertente amorosa também está presente. A relação entre Holly e Liam foi construída de uma maneira muito suave, mas muito bonita e romântica: capaz de derreter qualquer coração. 
Gostei imenso desta obra porque a autora conseguiu captar pequenos pormenores importantes referentes às emoções e relacionamentos humanos e consegue com isto, aproximar-se muito do leitor. 
Até fiquei com vontade de estar sempre a cozinhar. 


É um livro com um enredo leve, romântico mas acima de tudo inspirador.