Highlander – Para Além das Brumas

Um Laird fascinante
Ele era conhecido por todo o reino como Açor, lendário predador de campos de batalha e alcovas. Não havia mulher capaz de recusar o seu toque, mas mulher alguma lhe fizera jamais estremecer o coração — até uma vingativa fada trazer Adrienne de Simone, aos trambolhões, da Seattle dos tempos atuais para a Escócia medieval. Cativa num século que não era o seu, ousada até mais não, sem papas na língua, ela era um desafio irresistível para o conquistador do século XVI. Coagida a casar-se com Açor, Adrienne jurou mantê-lo à distância — mas a sua doce sedução devastou tal resolução.

Uma prisioneira no tempo
Ela tinha um perfeito “não” nos seus perfeitos lábios para o famigerado laird, mas Açor jurou que ela haveria de sussurrar o seu nome com desejo, implorando a paixão que ele ansiava por inflamar dentro dela. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o deteriam na conquista do seu amor. Apesar da sua incerteza quanto a seguir os impulsos do seu coração apaixonado, as reservas de Adrienne não igualavam a determinação de Açor em mantê-la ao seu lado…

ISBN: 9789896374075 – Saída de Emergência / 2012 – 289 páginas

O Hobbit

Antes de começar a falar sobre esta obra em particular é preciso dizer que eu sou fã desta autora Karen Marie Moning,  por isso vou-vos contar a vida difícil que esta autora encontrou no mercado editorial Português. Tenho seguido esta série Highlander desde que os primeiros livros saíram e adorei-os a todos. Devorava-os como se fossem chocolate. Até ter recebido a notícia por parte da editora Saída de Emergência que os livros da senhora não vendiam o suficiente e a publicação de outros livros iria ficar suspensa. As fãs, que como eu, ficaram tristes com esta notícia, fizeram de tudo e apelaram à editora para que esta desse uma segunda hipótese a esta autora. E assim foi, lá continuaram a publicar um livro da autora ao longo dos tempos e parecia que o momento era oportuno visto que outra editora portuguesa decidiu publicar os livros da outra série da autora, intitulada “Fever”. Contudo, eis que as más notícias sucederam-se. Não só a Contraponto decidiu abandonar a publicação dos livros da série Fever (que são maravilhosos!) bem como a Saída de Emergência voltaria a repensar a sua estratégia para o nome da Karen Marie Moning.
E eis que por graça de alguém que percebe o que é ficar com uma série na estante a meio/incompleta, os livros da série Highlander continuaram a ser publicados, sendo que em Fevereiro irá sair o último volume para o mercado. Esta é uma história com final feliz, ou meio final feliz, melhor dizendo já que duvido que se veja a restante série Fever no nosso país.
Mas bom, eu estou contente pela perseverança da editora e agradeço por não terem desistido do nome e é por isso que em vez de comprar os livros em inglês, que era o que eu já estava a considerar, continuei a comprar as vossas edições.

Como dizia eu no início, eu gosto muito desta autora. Acho que são livros que primam pelo enredo simples mas cativante, o ideal para aquecer uma noite de inverno ou um dia de domingo que se mostra aborrecido. Além disso, o fascínio que a autora tem pela Escócia, pelos Highlanders e todo a riqueza cultura desta região é patente nas suas obras e eu sou igualmente fascinada por estes elementos, pelo que sei que vou encontrar uma leitura que me agrada em todos os sentidos. Tanto no romance, como no mistério que envolve o passado das personagens e pelo cenário que nos é apresentado ao longo destas páginas. Como disse, é daquelas leituras que são o meu “guilty pleasure”, quando quero ler algo que sei que vou devorar e ainda assim, aproveitar. Karen Marie Moning e os seus highlanders não falham e não há maneira de odiar estas leituras.
Mas de algum modo, não sei se pelo estado de espírito em que me encontro actualmente, esta história em particular não me encantou tanto como esperava. Embora tenha lido este livro em pouco tempo (a autora tem realmente em todos os seus livros esta qualidade de “devoração”, tanto pela escrita fácil e agradável como pelas histórias que cria) não consegui ligar-me tão completamente a estes personagens nem vibrei tanto com este romance quanto com os anteriores que li.

Um dos meus elementos favoritos no livro foi rever um personagem que irá ter o seu próprio livro mais à frente e que eu já li porque os livros não foram publicados pela ordem de publicação, um personagem que é o protagonista do livro que é o meu favorito (até agora) de toda a série. Concluindo, gostei de ler o livro e foi uma leitura muito prazerosa mas de alguma forma, o Sidehawk não se revelou ser dos personagens mais inesquecíveis, talvez pelo seu nome ter perdido a magia na tradução.

Pássaros Feridos

Advertisements

Opinião – Vingança

Opinião:

E já acabei o segundo volume da série Fever, da autora Karen Marie Moning. Foi num instante que li este livro. De facto, de um dia para o outro, devorei as páginas deste volume que me deixou com uma opinião ainda melhor da série. Se o primeiro livro não me tivesse conquistado, este decerto tê-lo-ia feito.
Não posso deixar de mencionar o quão impressionada estou com este estilo de escrita. A meu ver, a autora encontra-se francamente no seu melhor e não deixa os seus leitores descansarem enquanto o livro não estiver acabado. Isto porque ela construiu aqui um mundo verdadeiramente interessante e com seres que apelam verdadeiramente à minha curiosidade. Além disso, a autora baseia-se fortemente na cultura Celta, que é outra coisa que me fascina. Assim sendo, todos estes factores juntos num livro , fazem-no por demais apelativo, e é por isso mesmo que me encontro a ler a série quase de forma compulsiva.
Antes de mais, quero relembrar que podem ver a minha opinião sobre o primeiro volume – Anoitecer – aqui.

Este livro, “Vingança” trouxe-nos algumas mudanças, trouxe-nos mais conhecimento acerca do universo que a autora construiu e traz-nos a nós leitores, mais ansiedade.
A autora consegue de forma maravilhosa agarrar o leitor às suas descrições. O humor continua bastante presente nesta série, mas o que falta à outra série, a autora compensa nesta. Falo nomeadamente do tom mais sério que a autora deu à série Fever, falo também da exploração mais abrangente à cultura Celta, falo de um enredo mais cativante e desafiante para o próprio leitor, que dá por si mergulhado nos acontecimentos e dá por si sedento de obter mais conhecimento acerca do que está a decorrer com os personagens e com o universo que nos conquistou.

Embora em termos de enredo e evolução da história, não tenha havido grande diferença entre os dois volumes que já li, já se notou uma evolução nas personagens, principalmente nos dois personagens cruciais: Barrons e Mac.
Mac continua a tentar adaptar-se à nova realidade que é a sua vida em Dublin e continua desesperadamente à procura de vingança pelo assassinato da sua irmã Alina.
No entanto, Mac depressa dá por si envolta em mais segredos e mistérios do que aqueles que consegue compreender por si mesma e acaba por não saber em quem pode confiar, visto que dificilmente se percebe quem são os bons e quem são os maus nestes livros cheios de adrenalina e emoção.


Reforçando a ideia de que este segundo volume não ter trazido grandes revelações acerca de todos os mistérios que já se encontram introduzidos na trama, oferece aos seus leitores uma dose de adrenalina e mistério bem mais intensa, bem como a introdução de questões pertinentes que deixam o leitor completamente viciado nestes livros. Claro que apenas poso falar por mim, mas creio estar a fazer passar da melhor maneira o meu entusiasmo, porque este livro foi o que classifico de uma boa leitura, completa e que me satisfez. Proporcionou-me bons momentos, tal como também me proporcionou momentos de angústia, mas no geral, foi um livro que me envolveu totalmente e é isso que pretendo sentir ao ler um livro. Pode não ser um livro para todos os gostos, mas certamente agradará a quem gostar do género literário de fantasia urbana.

É também por isso que lamento a decisão da editora responsável por estes lançamentos, que não irá apostar mais nesta série. Permiti-me contactar as Edições Contraponto quanto a esta questão e aproveito para vos deixar o que me foi respondido:

Boa tarde,
Li os dois livros publicados pela Contraponto da autora Karen Marie Moning e ao fazer mais pesquisas soube que faz parte de uma série.
Queria informar-me se a editora pretende publicar os restantes 3 livros da série Fever?
Obrigada.
Cumprimentos,
Filipa —-

Cara Filipa,
Agradecemos desde já o seu contacto.
Quanto à sua questão, não está prevista a publicação de mais livros da série Fever, de Karen Marie Moning, dado que os resultados dos primeiros livros não nos permitem continuar a publicar os livros seguintes, ao contrário daquilo que eram as nossas expectativas.
Publicamos várias sagas na Contraponto que estão a correr bem, e esperávamos que a da KMM, tendo um grupo de fãs tão fiel, tivesse igualmente bons resultados o que infelizmente e para grande tristeza nossa não aconteceu. Lamentamos desapontar as fãs da autora e compreendemos a sua desilusão.
Com os melhores cumprimentos,
Catarina —-
Direcção de Internet

Apesar de tudo, eu continuarei a seguir a série e sinto-me feliz por ter adquirido os 5 livros que completam a série em inglês, pelo que depois de concluída a leitura deste segundo volume avancei já para o livro seguinte com o qual espero não ficar desiludida. Provavelmente não irei postar as minhas opiniões no blogue, devido não ir de encontro aos objectivos que tenho para este meu espaço que é falar e opinar obras que se encontram publicadas em Português.




Opinião – Anoitecer

Opinião:
Este não é o primeiro livro que leio desta autora. De facto, eu sigo com muita atenção a outra série que a autora escreveu, intitulada “Highlander”. Esta série é publicada em Portugal pela editora “Saída de Emergência”, mais propriamente pela chancela “Chá das Cinco”.
No entanto ,foi com grande satisfação que recebi a notícia que a outra série seria publicada pelas Edições Contraponto. Na altura em que saíram os dois primeiros livros decidi esperar para ver se a Editora não passava a perna ao público e deixava a série em águas de bacalhau, passo assim a expressão.
Claro que não fiquei surpreendida quando os meus receios se tornaram realidade e a Editora apenas publicou os primeiros dois livros do que me parece ser uma série aliciante e com potencial.
Assim, decidi adquirir a série em inglês na sua totalidade e não me arrependo da minha decisão. Assim, poderei sem qualquer problema ler até ao último volume, uma série que me conquistou com o seu primeiro livro. 

Não posso deixar de fazer algumas comparações com a outra série da autora. As duas séries, a meu ver, não têm muitas semelhanças. O tom de escrita é completamente diferente e embora goste muito da série dos Highlanders, tenho de confessar que esta, foi uma brisa de ar fresco. Completamente diferente do que estava à espera, encontrei a autora Karen Marie Moning num registo de escrita diferente, mas nem por isso, menos cativante.
Embora existam realmente elementos comuns entre as séries, nomeadamente a referência aos seres Fae e também a referência ao Druidismo e à cultura Celta, as semelhanças são apenas no nomes que se encontram. Aquilo que a autora não aprofundou na série Highlander, fá-lo na série Fever de uma maneira bem mais abrangente e que deixa o leitor cativo das descrições deste mundo que não é totalmente novo, mas também ainda não é totalmente conhecido. As nuances do mundo que a autora nos apresenta neste primeiro volume da série Fever, são incompletas, como seria de esperar para o primeiro livro de uma série. Afinal não é segredo nenhum que os primeiros livros de uma série raramente mostram o seu verdadeiro potencial, visto que na maioria das vezes, são livros que têm um papel mais informativo, com menos acção e que pretendem acima de tudo, introduzir o leitor num admirável mundo novo – e este é-o certamente. Conquistou-me logo nos primeiros momentos e deixou-me deslumbrada.
Para quem gosta do género literário fantasia urbana, convido-vos a experimentarem este livro.

O livro conta-nos a história da protagonista MacKayla Lane, Mac para os amigos. Quando a sua irmã, Alina é encontrada morta em Dublin em circunstâncias não normais, Mac decide deixar temporariamente a sua vida segura e estável no estado de Georgia para pressionar a polícia a reabrir o caso de homícidio da sua irmã e levar o seu assassino à justiça. Mas tudo acaba por se complicar e Mac vê-se sozinha numa cidade estrangeira com vários elementos que desconhecia. Até que acaba por encontrar Jericho Barrons que irá tornar-se o seu guarda e também quem vai ensinar Mac a sobreviver num mundo que até agora lhe era desconhecido e que esconde vários perigos. Assim, Mac e Barrons juntam-se numa improvável parceria para tentarem encontrar um artefacto mítico e perigoso, que irá trazer aos dois a satisfação de atingirem os seus objectivos individuais. Mac pretende encontrar o assassino da sua irmã e fazer justiça pelas suas mãos, já que a polícia nada poderá fazer contra inimigos que nem sequer tem conhecimento. E Barrons… bem, Barrons é uma personagem muito misteriosa e esconde com muita perícia os verdadeiros objectivos que quer ver atingidos.

Assim, o que posso dizer sobre este livro é que foi muito bem-estruturado e cativou-me do início ao fim. É sem dúvida uma série que vou ler até ao quinto e último livro . Ainda mal entrei neste mundo mirabolante e cheio de acção e estou já a desejar por mais. De facto, já comecei a leitura do segundo volume, para não perder a embalagem e todo o entusiasmo. Encontro-me ansiosa para conhecer mais sobre este mundo e ver como é que as personagens apresentadas neste primeiro livro, vão evoluir.

Há muitas surpresas que me esperam e mal posso esperar para descobrir mais!