Lições de Sedução

Uma verdadeira senhora não deveria aceitar lições de uma cortesã – ou deveria? A recente esposa do duque de Rolthven, Brianna Northfield, é distinta, recatada e educada – tudo o que uma jovem noiva deve ser. E que diria a sociedade se a visse com um exemplar de Os Conselhos de Lady Rothburg – um livro de lições de uma cortesã sobre comportamentos de boudoir? O muito respeitável duque, seu marido, não aprovaria, mas encontra-se demasiado ocupado com as suas obrigações ducais para prestar muita atenção à sua jovem esposa. Embora, se Brianna conseguir o que quer, isso esteja prestes a mudar… Quando a sua jovem, bonita e inocente esposa se torna, de súbito, entendida na arte do amor, Colton Northfield é apanhado de surpresa. Se antes a deixava por conta própria agora quer a sua companhia na ópera, na carruagem, e até durante o chá na sua propriedade da província, mas não pode deixar de ficar alarmado com os poderes sedutores. Onde terá ela aprendido tais expedientes? No entanto, a campanha escandalosa de Brianna está a desenvolver-se de formas que ela nunca poderia ter imaginado… Seguir os conselhos de uma cortesã pode ter graves consequências, mas valerá a pena se conseguir o seu desejo mais secreto: conquistar o amor do marido.



ISBN:  9789896570941 – Planeta Editora / 2010


Este é o segundo livro que leio da autora Emma Wildes. O anterior, Uma Aposta Perversa, foi sem dúvida uma surpresa. Um livro leve, para desenjoar de outras leituras foi o que encontrei. Esperava o mesmo para Lições de Sedução e foi o que acabei por encontrar.
Um livro que pudesse dar-me uma leitura sem muitas exigências, para me divertir, fazer rir e que me pudesse mostrar um ambiente romântico passado em Londres do século XIX. Este género de leitura, os chamados romances de época, acabam por mostrar-se leituras fantásticas para mim, porque me entretêm e me mostram que não é preciso um livro ganhar o prémio Nobel da Literatura para eu os conseguir apreciar por aquilo que são e para os propósitos que se propõe servir. 
Já no livro anterior tinha ficado agradada com a escolha de enredo da autora: original e bastante divertida. 

Esta obra tem as mesmas características, visto que o enredo se baseia num livro que foi proibido na sociedade londrina da altura, por ser considerado demasiado desrespeitador das sensibilidades das madames e dos gentlemen.
Brianna ama o seu marido, Colton Northfield, um Duque, mas sente que o seu casamento precisa de paixão e mais vida. Colton tem muitas responsabilidades e a sua jovem esposa não é uma prioridade na sua vida, mas antes, uma decisão prática. 
Já Rebecca, sofre de amores pelo irmão mais novo de Colton e a sua reputação já não é a mesma: é considerado um libertino com ideias muito extremistas quanto ao casamento e a única coisa a que Robert dá importância é à independência. 

O que é estas duas mulheres têm em comum? A falta de felicidade na sua vida e a esperança de conseguir preencher o vazio que sentem nos seus corações.  Mas é através de Lady Rothburg e o livro que esta cortesã escreveu que elas vão ter oportunidade de conseguir tudo aquilo que desejam.


Este livro foi tão divertido quanto eu esperava e correspondeu às minhas expectativas. Acho que li o livro na altura certa e a minha disposição é a maior motivação para ter gostado tanto deste livro. A particularidade de a autora ter relatado a história de amor de dois casais foi um pormenor que me agradou, porque tive a oportunidade de me deleitar com mais personagens do que é normal. No entanto, esta escolha revelou-se também ser mal pensada, porque enquanto apreciei a oportunidade de acompanhar dois casais a encontrar o amor, a história do segundo casal – Robert e Rebecca – acabou por ficar mal desenvolvida, a meu ver.
No entanto e apesar de todos os ponto menos fortes, acho que esta obra é deliciosa e óptima para momentos de descontracção, em que podemos descansar o intelecto. É uma leitura que nos relaxa e que nos permite passar bons momentos tendo como cenário a sociedade londrina do século XIX. 



    


Advertisements

Opinião – Uma Aposta Perversa

Opinião: 

Este é o primeiro livro da autora Emma Wildes que leio. Confesso que romances de época não costuma ser a minha escolha de eleição, embora já tenha lido um ou outro e tenha conseguido ficar surpreendida. Apenas adquiri o livro porque reparei nesta edição muito jeitosa, a um preço convidativo. E já que a sinopse prometia uma história leve a divertida, decidi arriscar.  
Posso dizer com absoluta certeza de que não me arrependo de ter adquirido o livro e até penso ler mais obras desta autora, que posso dizer que apesar de serem entreternimento puro, o enredo leve e linguagem não exigente corresponderam às expectativas e ao meu estado de espírito na altura em que peguei nele.
Assim sendo, mesmo começando a leitura sem nenhuma expectativa, acabei por gostar bastante do livro.
A história tem como base uma aposta entre dois libertinos que metem toda a sociedade londrina em rebuliço. Esta aposta de carácter invulgar, feita num momento ébrio entre estes dois cavalheiros, provoca um burburinho geral – ainda mais porque ambos precisam de uma mulher que decida quem será o vencedor.
E a senhora que irá fazer a proposta indecente de ser a juíza nesta disputa, é a jovem viúva Caroline, que tem uma reputação intocável e respeitada. Se se descobrir que ela se propôs para resolver este confronto, a sua vida e a forma como é vista pela sociedade nunca mais será a mesma. 
A autora, a meu ver, criou um enredo original e divertido. Construiu umas boas personagens e não me importaria de voltar a ler qualquer coisa sobre o quarteto que protagoniza esta trama. Conseguiu dar um tom mais moderno, que contrasta com a época versada no livro, sem que no entanto, o tornasse aborrecido ou mesmo inadequado. 
Não posso classificar este livro, como sendo uma obra de arte, mas sem dúvida que o livro responde à necessidade de entreternimento. 
Aquilo que no início parece ser apenas um jogo insensato, mostra ao leitor muito mais do que é na superfície e a autora consegue agarrar o leitor pela facilidade que tem em criar personagens com quem o leitor simpatiza desde as primeiras linhas do romance. 
O livro acabou por ultrapassar as expectativas que tinha e serviu os seus propósitos. Para quem gosta de um romance simples, com um enredo leve e divertido, este é o livro indicado. 
A leitura certa para descomprimir do quotidiano e das nossas responsabilidades diárias.