Nómada

Melanie Stryder recusa-se a desaparecer.
O nosso Mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual.
Quando Melanie, um dos poucos Humanos “indomáveis”, é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente.
Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada – Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam.

ISBN: 9789895575770 – Edições Gailivro / 2009 – 836 páginas

O Hobbit

Nómada é a minha estreia absoluta na escrita da autora Stephenie Meyer. Antes deste livro, nunca tinha tido curiosidade em ler a série Twilight, os livros responsáveis pelo sucesso da autora. Foi apenas quando fui ver o filme que esta obra me suscitou interesse. Tendo gostado da adaptação cinematográfica, decidi ler o livro para confirmar que o livro era melhor do que o respectivo filme. O livro é bastante grande, pelo que esperava uma leitura lenta e foi exactamente isso que obtive. Comecei com algum entusiasmo, mas as minhas leituras de verão não foram muito bem conseguidas, pelo que passadas as 100 páginas esmoreci um pouco e inclusive deixei a leitura suspensa por algumas semanas.

Não sei muito bem como classificar esta leitura. Já sabia o que esperar em termos de história e de personagens, portanto o livro não foi uma grande surpresa. Sabia que iria encontrar uma mistura entre ficção científica e romance e foi exactamente isso que encontrei. Encontrei um livro agradavelmente estruturado, com vários elementos em equilíbrio e por esse prisma, foi uma leitura agradável.
Mas, as imagens que tive do filme não foram propriamente de ajuda para esta leitura. Dava muitas vezes por mim a ler uma cena e a pensar “onde é que isto apareceu no filme?” e não é assim que eu gosto de ler um livro. De maneira nenhuma. É por isso que me recuso a ver filmes antes de ler os livros. De qualquer forma, acabei por achar a leitura muito morna para as expectativas que criei.
Depois de ter ouvido maravilhas sobre o livro, esperei encontrar algo fantástico e encontrei apenas o mediano. É tudo muito q.b. para o meu gosto. A escrita é agradável q.b., as personagens são interessantes q.b., o romance é intenso q.b. e é tudo muito meia-medida.

Aquilo que se destaca nesta obra é o mundo. Se fosse apenas a considerar esse elemento, teria que dizer que por aí sim, está um livro muitíssimo interessante. Adorei a forma como a autora construiu as almas e como elas “ocupam” outros planetas. A construção desta realidade está muito bem feita e foi fantástica a forma como a autora construiu esta protagonista – sem dúvida uma das mais originais que li até agora – e a forma como equilibrou as duas personalidades. Acho que o ponto forte deste livro é a vertente de ficção científica e não o romance, como estaria à espera.

O livro, no geral, não correspondeu às expectativas que eu tinha e por isso, acabei por não apreciar tanto esta leitura. Contudo, é de facto um livro interessante, que nos mostra uma realidade alternativa bem cativante descrito de uma forma fluída, sem cansar de forma exagerada.

Pássaros Feridos

Advertisements

Cordeiro – O Evangelho Segundo Biff

Centenas de milhares de pessoas em todo o mundo leram – e releram – a história irreverente, iconoclasta e divinamente divertida da infância de Jesus Cristo, segundo o testemunho do seu amigo de infância, Levi bar Alphaeus (também conhecido por Biff). Agora, também tu poderás descobrir o que realmente aconteceu entre a manjedoura e o Sermão do Monte.
Numa nova nota final, expressamente concebida para esta edição, Christopher Moore responde às questões mais colocadas pelos leitores acerca do livro e de si, desde a primeira publicação de Cordeiro. Fresco, divertido, pungente e sábio, Cordeiro tem sido alvo de regozijo para os leitores de todo o mundo.

ISBN: 9789895577019 – Edições Gailivro / 2010 – 502 páginas

O Regresso do Rei - Senhor dos Anéis, Vol.3

A Biff, o melhor amigo de infância de Jesus Cristo, é-lhe pedido que reescreva o Novo Testamento, da forma como realmente aconteceu. Na perspectiva de quem esteve lá para viver os acontecimentos na primeira pessoa. Se pensam que a Bíblia diz tudo, estão muito enganados. Isto porque não há melhor pessoa para relatar o que realmente se passou do que Biff, amigo e companheiro (desde sempre) de Joshua. Biff, que viveu há dois mil anos atrás, vai agora escrever a sua experiência. Consigo tem o anjo Raziel, um anjo que não é dotado de grande inteligência. Um novo olhar que se concentra na vida da pessoa mais ‘perfeita’ que este mundo já viu nascer. E nos seus feitos miraculosos. Pelos olhos da pessoa que inventou o sarcasmo.

Nunca tinha lido nada do autor Christopher Moore. Nem tinha muita curiosidade confesso. Provavelmente passaria o resto da minha vida a passar pelos livros deste autor sem denotar qualquer interesse nos trabalhos dele. (Okay, não posso saber isso, mas sei que este autor até antes nunca tinha registado no meu radar literário). O livro acabou por vir parar às minhas mãos através de uma amiga que lista este autor como sendo um dos seus preferidos. Decidi arriscar. E como sempre, não há maneira de ela falhar naquilo que me manda ler. Mais uma vez acerta no alvo,  fazendo desta vez, com que este livro cruzasse o meu caminho em boa hora. Foi uma óptima surpresa, devo dizer. Não sabendo muito bem o que esperar – a minha experiência com este tipo de livros não é muita – acabei por ir à descoberta e uau. É giro dar-me conta que um autor que antes não contava ler, rapidamente se torna muito importante na lista de interesses. Gostei tanto deste livro que automaticamente introduzi outros dele à minha wishlist. Estou tramada. 

A escrita do autor é deliciosa. Não há realmente outro adjectivo que a descreva. Mal comecei a ler o livro dei por mim já a metade. E isto é dizer muito num livro que tem 500 páginas. Uma escrita que flui de uma forma imperceptível. De forma mais natural do que eu realmente esperava. Ajuda, claro, que o autor encha as suas páginas de um humor sagaz. Este tem uma forma de brincar com qualquer situação, mas fá-lo de uma forma inteligentíssima. É impossível não nos deixarmos influenciar pelo seu humor e pela maneira como caricata os personagens e as situações onde eles estão envolvidos.
A fonte principal de pesquisa do autor foi obviamente a Bíblia e outros textos de religião e história deste período. Apenas consigo imaginar o tempo que o autor dedicou a estudar os campos para depois adaptar a sua pesquisa para escrever este livro. É fantástico a forma como o conseguiu fazer de forma a que os seus leitores pudessem encontrar uma leitura divertida, inteligente e muito dinâmica. Ainda que altamente ficcionada. Mas aí é que está a piada de todo este livro. O autor até conseguiu introduzir algumas noções sobrenaturais.

O Biff é uma personagem como não há igual. Até hoje acho que ainda não tinha encontrado personagem tão divertida. Simplesmente adorei-o. Em todos os momentos. A forma como ele ironiza os acontecimentos e sarcasticamente passa pelas situações que se lhe atravessam é simplesmente deliciosa. Ele é um narrador único e fez com que esta leitura fluísse de uma maneira estrondosamente divertida.

Acho que não poderia ter havido uma melhor estreia com este autor. Depois desta leitura, quero sem dúvida alguma ler outros dele e espero ficar com uma opinião tão positiva quanto fiquei com esta obra. Maravilha de criação.

51