O Mundo é Pequeno

Este livro foi-me recomendado por uma amiga, minha conterrânea, que me disse que esta obra era muito divertida, repleta de humor e também de situações hilariantes. 
Nunca havia lido nenhum livro do autor David Lodge, portanto decidi-me a estrear-me com a recomendação que me foi feita. A história base do livro é muito simples: tudo começa com uma conferência de Professores Universitários. Estes encontram-se todos os anos para falar de literatura inglesa e não só. Os elementos que comparecem a estas conferências são diferentes, mas únicos na sua essência. Estes professores correm então o mundo em várias conferências e metem-se em situações caricatas, nunca antes vistas.  
E cada personagem que aqui é representada é mais divertida que a anterior. As situações que “contadas ninguém acredita” deixam o leitor perplexo de tão hilariantes que são.

Confesso que no início me foi algo difícil de embrenhar na escrita e na própria história. Não tendo nenhum conhecimento anterior, senti-me no início, algo deslocada e sem saber o que esperar. No entanto e sendo eu parte integrante do mundo universitário, mantive-me firme e acabei por deliciar-me com a descoberta. 
A verdade é que as situações que o autor nos apresenta, tal como o conjunto de personagens a que somos apresentados é de tal forma mirabolante, que quando penso no livro, penso numa explosão de cores e sentidos em que o leitor nem se situa muito bem. Situação atrás de situação, somos acometidos por um sentido de alegria e felicidade, acompanhados de uma dor abdominal devido a tanto riso ininterrupto. 

Cenários como Ankara, Soho, Milão e Sidney são palco para as situações mais divertidas a que já assisti. Não posso dizer que me tenha identificado totalmente com a vida que estes professores universitários levam, sempre viajados, de conferência em conferência, mas o livro fez-me realmente considerar o que seria se algum dos meus professores se metesse numa situação parecida às que o autor aqui retrata. 

De qualquer forma, mais que isso, esta obra fez-me realmente pensar e reflectir sobre o quão pequeno o mundo era naquela altura e é hoje em dia. Penso que a mensagem subliminar que o autor quis passar, se mantém totalmente intemporal. Tendo em conta que este romance foi escrito em 1984 e o autor já refere o quão é importante a mobilidade, se transportamos isso para os dias de hoje, chegamos à conclusão que a mesma detém uma importância vital no quotidiano. Facilmente, hoje, se chega ao outro lado do mundo e as distâncias já não têm o mesmo significado que outrora tinham. As comunicações, a tecnologia é um dado adquirido para as pessoas que se integram na sociedade e arrisco-me a dizer que se de um momento para o outro, isso nos fosse tirado, a adaptação rápida seria uma coisa virtualmente impossível. 

Por isso, para mim, este livro foi óptimo para conjugar humor, realidade e algumas verdades sobre o mundo universitário. Uma boa descoberta. 

“It’s a small world, but we all run in big circles.” Sasha Azevedo

Advertisements