O Herdeiro de Sevenwaters

Os chefes de clã de Sevenwaters são há muito guardiões de uma vasta e misteriosa floresta, um dos últimos refúgios dos Tuatha De Danann, as Criaturas Encantadas que povoam as velhas lendas. Aí, homens e habitantes do Outro Mundo coabitam lado a lado, separados pelo finíssimo véu que divide os dois reinos e unidos por uma cautelosa confiança mútua. Até à Primavera em que Lady Aisling de Sevenwaters descobre que está grávida e tudo se transforma.
Clodagh teme o pior, uma vez que Aisling já passou há muito tempo a idade segura para conceber uma criança. O pai de Clodagh, Lorde Sean de Sevenwaters, depara-se com as suas próprias dificuldades, vendo a rivalidade entre clãs vizinhos ameaçar as fronteiras do seu território. Quando Aisling dá à luz um filho varão o novo herdeiro de Sevenwaters, Clodagh é incumbida de cuidar da criança durante a convalescença da mãe.
A felicidade da família cedo se converte em pesadelo quando o bebé desaparece do quarto e uma coisa não natural é deixada no seu lugar. Para reclamar o irmão de volta, Clodagh terá de entrar nesse reino de sombras que é o Outro Mundo e confrontar o poderoso príncipe que o rege. Acompanhada nesta missão por um guerreiro que não é exactamente o que parece, Clodagh verá a sua coragem posta à prova até ao limite da resistência. A recompensa, porém, talvez supere os seus sonhos mais audazes…

ISBN: 9789722518970 – Bertrand Editora / 2009 – 477 páginas

O Hobbit

Aisling, mulher de Lorde Sean, senhor de Sevenwaters, sempre desejou dar um filho ao seu marido. Contudo, sempre deu à luz meninas. Apesar de o casal estar orgulhoso de todas as suas belas filhas, para Aisling sempre foi um peso no seu coração saber que Sevenwaters iria ser herdada pelo seu sobrinho Jonhy, filho de Liadan e do temível Homem Pintado. Assim, quando recebe a notícia de que está grávida, Aisling tem a certeza que desta vez irá presentear Lorde Sean de Sevenwaters com o seu herdeiro. O seu primeiro filho. A gravidez é uma de risco e por isso, as oferendas às Criaturas Encantadas e aos deuses são muitas para que estes mantenham o futuro herdeiro em segurança. Mas sendo que as mudanças em Sevenwaters nos últimos tempos têm sido muitas, seria de imaginar que isso se reflectisse no universo das Criaturas Encantadas, pois muito também mudou no reino destas criaturas. O equilíbrio entre o Bem e o Mal já não é tão claro e as Criaturas Encantadas sempre gostaram de interferir com as vidas humanas. Assim, depois do herdeiro de Sevenwaters nascer, Clodagh que estava a cuidar do seu irmão, repara que o pequeno foi trocado por um duplo. Um duplo estranho, feito de troncos, folhas e retalhos da floresta. As suspeitas recaem sobre a própria Clodagh e sobre um guerreiro de Johny, Cathal, que desde que chegou a Sevenwaters mostrou ser uma pessoa única e muito fechada. Clodagh, decide então viajar para o reino das Criaturas Encantadas para ir buscar o seu irmãozinho e com ela tem Cathal para a ajudar, que parece ter um conhecimento instintivo sobre este reino encantado. Embora Clodagh rapidamente se aperceba que Cathal é mais para ela do que um simples guia, os segredos separam-nos irremediavelmente…

Sevenwaters foi primeiro uma trilogia, que contava com os títulos A Filha da Floresta, O Filho das Sombras e por fim, A Filha da Profecia. Contudo, a autora decidiu alargar o número de livros que falam sobre este universo e para esse efeito escreveu mais três livros, respectivamente intitulados: O Herdeiro de Sevenwaters, A Vidente de Sevenwaters e A Chama de Sevenwaters (estes dois últimos, publicados pela editora Planeta). Ainda que o último só saia a 26 de Junho, é bom saber que as editoras não desistiram de publicar esta autora.
Desde que tive o prazer de conhecer esta autora que não quero mais nada. Tenho seguido a saga de Sevenwaters com sofreguidão e com muitas emoções à mistura. O primeiro livro não me mostrou de maneira nenhuma todo o potencial desta saga. De facto, foi pelo segundo livro que me apaixonei, pois considero que tem, na medida certa, todos os ingredientes que fazem de um livro, um bom livro: acção, romance, mistério e fantasia. Por essa razão, as minhas expectativas, sempre que pego num novo livro da autora, são muito elevadas. Até agora, não me posso queixar. A autora ainda não me desiludiu e assim espero que continue.

A começar pela sua escrita, que é uma narrativa belíssima, construída de maneira a que os leitores se consigam envolver na totalidade. Adoro a forma como a autora conta histórias. A maneira como introduz o fantástico dentro dos seus universos. Os seus personagens também são contadores de histórias e é fantástico todas aquelas pequenas narrativas que, fazendo parte do enredo principal, acabam por embelezar ainda mais o retrato geral. Sempre que leio um livro de Juliet sinto-me parte integrante daquele universo, envolvo-me sempre na totalidade na vida das personagens e na narração da autora. Sinto que é uma leitura que me transporta completamente para a floresta, para aquele mundo encantado que está à distância de uma página.
Ao começar esta leitura encontrava-me um pouco receosa que a autora estivesse a esgotar o tempo útil deste universo, por assim dizer. Sendo que os planos originais eram que este universo fosse explorado numa trilogia, tive receio que estes livros seguintes poderiam ser piores que aqueles que constituíram a trilogia original.
Não posso dizer que este livro me tocou tanto como o fez o segundo, O Filho das Sombras, mas também não posso dizer que este livro é pior que a trilogia. De facto, é exactamente o contrário. Fico contente que a autora tenha conseguido continuar a explorar o universo de Sevenwaters sem arruinar a magia da primeira trilogia.

Clodagh, que no livro anterior não foi muito mencionada, mostrou ser uma protagonista à altura. Uma heroína que se revelou à altura da sua missão e que tornou a história muito mais interessante. Cathal, não foge à regra no que toca aos personagens masculinos de Juliet. A autora cria sempre heróis fabulosos. O romance dos dois foi, como sempre, uma belíssima história de amor como a autora também já nos habituou.  Por outro lado, o Sean, que sempre foi um personagem que apreciava pela sua força e integridade, desiludiu-me um pouco. Ainda que possa perceber o que está por detrás das suas acções, não esperava que a sua força de carácter e a confiança que tem nos filhos fosse abalada com tanta facilidade.

Como sempre, foi um livro que misturou na perfeição vários elementos chave – o romance, a acção/fantasia, o mistério e intriga. Juliet Marillier continua a dar cartas no universo fantástico e eu, continuo a ficar maravilhada com os seus livros e com o universo de Sevenwaters. Como não podia deixar de ser, fico muito contente por ainda ter dois livros para ler e confesso que me sinto muito curiosa com o que as duas próximas obras podem trazer. A Vidente de Sevenwaters já se encontra em lista de espera e será um dos próximos livros que lerei. Até lá, esperarei com ansiedade entrar novamente nos livros de Juliet.

Voltar a Encontrar-te

9 thoughts on “O Herdeiro de Sevenwaters

  1. Realmente a escrita de Juliet Marillier é fantástica. Já li os cinco livros editados em Portugal, e gostei de todos eles, apesar de ter um certo favoritismo pela trilogia inicial. Ao ler a tua crítica deste livro, pensei que a Juliet Marillier nos mostrou um certo mundo na trilogia inicial e conseguiu nos livros seguintes expandir esse mesmo mundo, mantendo-o com as mesmas características, de forma a não nos sentirmos distanciados de toda a história, mas ao mesmo tempo mostrando-nos locais diferentes, para não nos cansarmos dos que já conhecemos.
    É mesmo uma autora a seguir e cujos livros quero ter na minha estante. 🙂
    Beijinho

    • Não diria melhor. Também acho que ela jogou com o facto de já conhecermos este universo, mas conseguiu não fartar. É um equilíbrio que nem todos os autores conseguem manter nas suas sagas. Em Julho, vou ler o quinto livro, mas tenho a certeza que também irei gostar dele. Tenho lido os livros através da biblioteca, mas eram livros que adoraria ter na minha estante, também. 😀 Valem bem a pena!

  2. Leonor (Ner) says:

    Ainda bem que gostaste da escrita e dos livros da Juliet. Adoro-a do fundo do meu coração (fav. author what can I do?!) e fico sempre feliz quando ela ganha novos fãs 🙂 Espero que continues a gostar dos seus livros pois valem bem a pena ler e ama-los ^_^

    PS: aconselho vivamente o Sangue do Coração… é um dos meus favoritos dela se não O favorito 😉
    PPS: aproveito para te dizer que tás nomeada no meu blog para o Super Sweet Blogging Award (http://nercupofcoffeeandbook.wordpress.com/2013/06/26/super-sweet-blogging-award/). Espero que não te importes 🙂

    XX Ner

    • Agora vou querer ler todinhos! 😀 Estou especialmente curiosa com a trilogia “Crónicas de Bridei”. Mas claro, também quero ler o Sangue do Coração! 😀
      Já agora (novamente) obrigada pela honra, fiquei tão contente! *-*

      • Leonor (Ner) says:

        Eu aconselho tudo o que seja Juliet, claro. As Crónicas de Bridei são simplesmente divinais e a personagem do Faolan é algo… Jasus 😛

        Ora essa… de nada Filipa ^_^

        XX Ner

  3. Patricia says:

    Olá. Sou do Brasil e este livro não tem aqui. Sabes de alguém que queira vendê-lo.
    Estou ansiosa para ler.
    Já li a trilogia e amei.

  4. Solcarrascosa says:

    Bom dia,

    Já li a trilogia de Sevenwaters e amei, simplesmente perfeita estou encantada com a escrita de Juliet!
    Estou louca para ler as sequências dos livros, mas não encontro aqui no Brasil. Qual o site confiável para baixar em pdf? Ou se tiver algum site que eu possa comprar o livro, me informem por favor.

    Obrigada desde já,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s