Teia de Cinzas

Outono em Fjällbacka. Um pescador que acabou de recolher os ovos de lagosta que lançara ao mar está em estado de choque. No deck do barco jaz agora à sua frente o corpo inerte de uma menina. Enquanto Erica Falk desespera no seu papel de mãe, Patrick Hedstrom é mais uma vez chamado a desvendar o mistério daquela morte que vai afectar de forma devastadora a vida de muita gente que lhe é próxima. E enquanto a investigação vai decorrendo, os mistérios continuam: que pasta negra era aquela que a menina tinha no estômago quando foi autopsiada? Quem atirou cinza para um bebé que ficara por um momento num carrinho à porta da loja onde a mãe tinha ido fazer compras? Que cinzas eram aquelas que atiraram à bebé do próprio Patrick Hedstrom? Perguntas a que só a investigação da competente equipa liderada por Patrick Hedstrom poderá responder.


ISBN: 9789722045117 – D.Quixote (Leya) / 2011 – 487 páginas

Uma criança de sete anos é encontrada no mar. Todos os indícios indicam que esta morreu afogada. Um terrível acidente, um infortúnio. A pequena cidade de Fjällbacka está chocada com este acontecimento, totalmente inesperado. Afinal, foi uma pequena criança que morreu e isso toca qualquer coração. Contudo, a equipa técnica da polícia descobre que os pulmões da rapariga continham água doce nos pulmões, ao invés da água salgada que seria de esperar nestas circunstâncias particulares.
E isso faz com que esta tragédia assuma uma aura de irreal perante os habitantes da cidade, pois realmente, quem é que seria capaz de cometer um crime destes contra uma criança? Só pode ser um monstro, com certeza. Não existe outra possibilidade.
Erica fica particularmente chocada com estas notícias, pois a mãe da criança é sua amiga e foi o seu ombro em muitas das vezes em que Erica desesperou com a maternidade recente. Isto porque Maja, a sua filha e a de Patrick, tem apenas alguns meses e está a revelar-se uma bebé de trato difícil, segundo a mamã que passa a vida cansada, no sofá a ver televisão, sentindo que a sua vida tomou um rumo inesperado. 
Assim, esta tragédia, aconteceu perto de casa e Patrick, pensando no que poderia acontecer à sua própria filha, fica determinado a resolver este caso macabro o mais rápido possível. Tudo seria melhor se ele não fosse obrigado a trabalhar com Ernst, o totalmente incompetente colega, que é completamente insuportável e sem nenhum sentido de ética…

Há muito tempo que já não lia nenhum livro desta série, apesar de ser uma das minhas preferidas no campo do policial. A sério. Há mais de um ano.
A razão é simples – quando tenho alguma série de que gosto muito, tenho sempre alguma relutância em ler logo os livros, porque gosto de antecipar o momento em que leio os livros, de construir as minhas expectativas e gosto simplesmente de saber que na prateleira estão os livros daquela série à espera para eu os ler, quando eu sentir que o momento é o certo. E quando comecei a sentir saudades desta autora, decidi que já era tempo de eu ler mais um livro do Patrick Hedström e da Erica. 
Gosto muito deste casal e foi com grandes expectativas que comecei esta leitura. Não só esperava que o caso, que o mistério fosse algo cativante, como desejava saber como é que Erica e Patrick se iam dar com uma filha em mãos. 
Sem dúvida que as minhas expectativas foram correspondidas. Como sempre acontece com esta autora, aliás. 
A sua escrita consegue sempre aliciar-me a uma leitura rápida, fluída e sempre pontilhada por muito interesse da minha parte em construir teorias verosimilhantes e em desvendar o mistério que está presente em todo o enredo. 
Desde o primeiro livro que esta série me prendeu o interesse, como podem ver pelas opiniões aos volumes anteriores. A autora sempre conseguiu conquistar-me com a sua escrita, com a sua mestria em construir um bom caso, um bom mistério e com umas personagens (tanto as boas como as más da fita) bem exploradas. O terceiro livro desta série não foi, de todo, nenhuma excepção. 

As personagens que já conhecia dos livros anteriores continuam a crescer e a evoluir a cada livro e é muito interessante ver o rumo que a autora está a escolher para cada um. É importante para mim como leitora acompanhar o progresso deles, pois a cada livro que leio e cada vez que volto a este universo, eles são pessoas com as quais eu convivo. Além dos protagonistas, pelos quais já exprimi a minha satisfação, tenho de destacar o Martin – colega  e parceiro do Patrick – que tem vindo a ter mais destaque e está a ser uma personagem que estou a adorar acompanhar. É um doce. 
Por outro lado, aquelas personagens que são temporárias e só aparecem neste livro, estando ligadas ao caso policial em questão, também foram bem exploradas, à excepção provavelmente de Niclas. Acho que foi uma personagem infeliz, muito unilateral e gostava que a autora tivesse escolhido mostrar este homem sob outra luz. 

Acerca do enredo e do caso, não tenho muito a apontar. A autora conseguiu, brilhantemente, construir exactamente aquilo que se pretende nos livros deste género particular. Um homicídio repugnante envolto em muito mistério, segredos que vão sendo, lentamente, descortinados e onde o véu da verdade é gradualmente levantado.
A autora costuma de facto, surpreender-me sempre com o assassino. O que é usual no género é eu acertar em algumas coisas, mas falhar nas mais fundamentais. Contudo, este livro revelou ser um pouco mais óbvio para mim, porque creio que a autora mostrou uma inclinação especial para a personagem, com descrições que me saltaram à vista logo desde cedo. Por isso, este foi talvez o primeiro livro da série em que consegui descobrir o assassino principal e falhar em alguns detalhes secundários. O que no final interessa é que Camilla conseguiu surpreender-me na mesma com esses detalhes, que foram limados nos últimos capítulos.

Uma leitura em nada desapontante e que matou as saudades que tinha de ler um policial que me obrigasse a pensar sobre cada passo de cada personagem e que me obrigou a reflectir sobre os motivos ocultos e as verdades escondidas de cada pessoa que passou por este livro. Camilla Läckberg continua assim, na lista de preferências no que toca a autores que escrevem bons policiais. 

Para quem gosta do género e até para quem acha que não gosta, mas gostaria de abrir horizontes, é uma boa aposta. 

Opiniões da mesma autora:
  

One thought on “Teia de Cinzas

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s