Estados de Espírito #21

Volta e meia, volto sempre a este assunto na minha cabeça e não consigo encontrar uma resposta satisfatória para a pergunta que  nunca fica esclarecida. 
Vejo muito blogues por aí com várias parcerias editoriais. De facto, para aí 9 em cada 10 blogues que conheço tem uma parceria com uma ou mais editoras. Aliás, existem vários deles em que o seu foco parece estar mesmo no cultivo desta relação entre editora – blogger. 

Quando criei este espaço, nunca pus em questão encetar parcerias com nenhuma editora, por uma simples questão. Não me parecia que eu tivesse tempo para tudo e sempre me preocupei com a possibilidade de sentir-me altamente constrangida quanto a dar uma opinião negativa. E apesar de eu gostar imenso de escrever opiniões que tecem fundamentos positivos, também gosto de explicar aos meus leitores porque é que não gostei de um certo livro e porque é que não pretendo ouvir falar novamente do mesmo. 
Ora, se eu encetasse uma qualquer parceria, era capaz de me sentir ingrata por estar a falar mal de um produto que estou a divulgar no meu próprio espaço, right?

Além disso, não existem almoços grátis e por isso mesmo as parcerias não é só receber. O dar, neste caso, seria fazer com que o meu espaço se tornasse um centro de publicidade para as demais editoras e isso parece-me de certa forma limitativo.
Estes são alguns dos pensamentos que me passam pela cabeça quando me meto a pensar em parcerias. Isto porque fico a pensar em que formas posso tornar o meu blogue mais dinâmico e se esta seria uma possível resposta para esse problema.  A lista dos prós e contras parece não decidir o assunto e creio que no fundo, sei a resposta. Nunca antes tinha pensado é que o escrever este pequeno desabafo me aclarasse as ideias.

Eu gosto de saber que existem por aí pequenos cantos, que por sua escolha, se dedicam às parcerias e criam uma relação com estas, um compromisso. É uma forma de eu me manter a par das (muitas) novidades e ver algumas opiniões que de outra forma, nem pensaria ler. No entanto, percebi que eu não gostaria de criar esse tipo de compromisso, pois nunca me iria sentir totalmente livre e apercebi-me que nunca quis que o meu blogue acabasse por se “desvirtuar” do meu objectivo inicial, que era um lugar onde eu pudesse libertar as palavras sobre o universo literário que me correm pela mente e não um lugar onde a audiência vinha procurar publicidade e não opiniões ou outra coisa diferente. 

O meu objectivo inicial e aquele que ainda continua a fazer parte dos meus planos é que as pessoas olhem para este espaço como um lugar onde podem procurar uma recomendação, uma sugestão e que possam olhar para este canto como um lugar onde se podem perder durante uns minutos, horas, o que for. Um lugar que tenham gosto em visitar e que o façam de mote próprio e não porque sabem que têm algo a ganhar por o fazer. 
De qualquer modo, às vezes penso que não estou a conseguir fazer isso e que o que hoje em dia interessa é fazer chegar às pessoas passatempos, novidades, etc. – esse género de iniciativas que acaba por criar uma relação diferente entre leitor e blogue. Estou enganada?

Eu tenho muito orgulho em tudo o que aparece neste blogue e creio que é assim que ele se torna O Labirinto. E não de outra forma.  

Será que penso da forma errada?

(Quero apenas fazer a ressalva de que isto não é nenhuma crítica aos espaços que escolhem acolher parcerias editoriais, muito pelo contrário. É apenas um desabafo.) 




| daqui |


23 thoughts on “Estados de Espírito #21

  1. Filipa, percebo claramente o teu ponto de vista. Já reflecti muito sobre o assunto das parcerias. Por enquanto, não pretendo encetar em nenhuma. Em tempos, pertenci ao clube de leitores do Segredo de livros e recebia livros aos quais dava a minha opinião. Depois reenviava-os para o leitor seguinte. Nunca me senti constrangida em salientar o que achava negativo nos livros e nunca ninguém no clube reclamou. Acabei por abandonar o clube devido a falta de tempo e porque estava a atingir o ponto em que só conseguia ler os livros que me enviavam ou seja, novidades no mercado. Queria ler o que me desse na “real gana” seja novo ou antigo. Quanto as parcerias realmente ditas, também estive várias vezes à beira de uma mas, nunca fechei negócio porque simplesmente acho que seja conscientemente ou inconscientemente a minha liberdade vai ser condicionada. Como criticar um livro que foi nos oferecido? E se for mau terei coragem de o afirmar? E pior, a editora irá exigir só as qualidades e não os defeitos? Estas são as minhas principais questões além daquilo que referes da publicidade. No fim quero que os meus Devaneios continuem a ser um lugar onde as pessoas encontrem uma crítica sincera e só minha. Não estou com isto a satirizar ou a menosprezar os blogues que o fazem. Cada um faz o quer e bem entende. Porém, há poucos blogues que me fazem comprar livros e tenho muito prazer em incluir o teu neste grupo porque as tuas críticas são honestas, bem estruturadas e delineadas. Bem haja ao Labirinto e ao tempo que perco nele:)!

  2. A tua posição é muito razoável. Devo dizer até que me merece concordância e elogio.
    No caso do meu blogue nunca se proporcionou nenhuma parceria, mas duvido que pudesse acontecer algo desse tipo porque foge do âmbito do meu espaço. Leio o que me dá vontade, o que penso que irei desfrutar, muitas vezes seguindo os conselhos de blogues como o teu, PRECISAMENTE porque sei que neste tipo de espaço encontramos opinões no verdaderio sentido do termo e não críticas de sentido previsível.
    Como tu, também nada tenho contra os espaços que têm parcerias com editoras e concedo-lhes o uso de através deles explorar as novidades que vão surgindo.
    Cumps!

  3. Olá Filipa…
    Concordo contigo em relação às parcerias… Acabam por limitar a nossa liberdade!
    Gosto muito de vir aqui ao teu espaço ler as tuas opiniões! Por isso espero que continues!
    Beijinhos

  4. Olá Filipa.

    Tenho de te confessar que senti e ainda hoje sinto, essa indecisão de que falas. Comecei o meu espaço por objectivos completamente pessoais e nunca acalentei parceiras. Quando fui contactada pela única parceria que tenho, senti um misto de alegria e de apreensão. Alegria porque foi bom sentir que uma editora tinha acompanhado o meu trabalho e que tinha gostado de alguma forma, daquilo que tenho feito ao longo destes anos, mas por outro lado, senti também apreensão, pois tive medo de perder o meu real objectivo e o meu rumo no blogue. Tive receio de que o facto de ter a parceria me levasse a perder a minha singularidade e a perder a ideia inicial do blogue, que era partilhar um dos meus passatempos preferidos e começasse a ter um blogue muito comercial, que saturasse o público com publicidade. Penso que tal nunca sucedeu, nos tempos em que fazia publicidade às obras, mas claro que só tendo uma parceria, a informação não é assim tanta…

    Só por uma vez me foi enviada uma obra da editora da minha parceria e não foi pela editora, mas sim pelo próprio autor da obra. Já me tinha sucedido o mesmo por duas vezes antes, um autor enviar-me a sua obra para poder comentar, e sou o mais sincera possível. Não nego que às vezes tenho receio de ser censurada quando dou opiniões negativas, mas é a minha opinião pessoal e todos temos direito a uma. O ano passado escrevi uma opinião negativa a uma obra, que me foi emprestada por uma amiga, e por diversas vezes fui criticada, mas faz parte…

    Não só na literatura mas também na vida tento ser o mais sincera que consigo e ler obras que o próprio autor envia ou da editora não me impossibilita de dar a minha opinião mais sincera. Contudo, compreendo o teu ponto de vista, pois como referi anteriormente também, por vezes, receio ser criticada. Penso que todos nós pensamos nisso…

    Enfim, resumindo que o discurso já vai longo, compreendo perfeitamente o teu desabafo e gostei de o ler, pois também tenho essa apreensão de vez em quando. Deu-me que pensar o teu post. 🙂

    Boas leituras

  5. Olá Filipa,
    Pessoalmente sou um pouco mais crítica que tu. Não gosto mesmo de ver o mesmo post, cheio de novidades, em 50 blogs diferentes. Não tenho paciência para publicidade.
    Duas editoras contactaram-me, mas não aceitei qualquer género de parceria. Eu tenho tão pouco tempo para ler, ainda vou deixar que outros escolham as minhas leituras? nem pensar.
    Não sei se esse tipo de post favorece a relação entre leitor e blogger: no meu caso vão directo para o grupo do reader dedicado às divulgações, grupo este em que só leio algum post se o título me chama a atenção.
    Boas leituras

  6. Antes de mais obrigada, Jo. Também sinto o mesmo com o Devaneios. É um espaço que eu sei e tenho a certeza absoluta que posso confiar na opinião que lá está, porque não é de nenhuma forma influenciada a não ser pelos teus gostos pessoais. E isso é uma coisa que é importante. Não quero ler opiniões “viciadas” ou que andem só à procura dos aspectos positivos. Quando ando à procura de sugestões, ando à procura também dos possíveis pontos negativos e enfim, no fundo, a escolha de ler ou não x obra, será minha.
    E sim, é muito importante para mim ler aquilo que me apetece e não aquilo que tem prioridade porque a editora x está à espera de feedback. Os contras, para mim, acabam por se sobrepor largamente aos prós.

  7. Concordo, André. Claramente o teu espaço tem uma ambição diferente e eu acho que isso é que o torna diferente dos demais blogues. E é importante que dentro da blogsfera exista diversidade, afinal não se pode agradar nem a gregos nem a troianos e as pessoas acabam por procurar o que me melhor se coaduna com os seus gostos. Eu prefiro os cantos que dão primazia às opiniões e não à publicidade, mas a verdade é que acabo por visitar também os outros, sendo que gosto de manter a par das novidades e acabo também por ler as opiniões, especialmente se existir uma novidade sobre a qual estou curiosa! Boas leituras*

  8. Foi muito bom ter a tua visão, aqui, visto que tens uma parceria e ajuda a perceber também a visão do outro lado. Contudo, eu já confiava nas tuas opiniões antes e sei que estas são o mais sinceras possível.
    É outro dos blogues que sempre acompanhei, ou pelo menos há muito tempo que acompanhava e já sabia com o que podia contar. Contudo, tenho a certeza absoluta que se calhar, nem toda a gente que tem parcerias pensa da mesma forma como tu e como tu bem disseste, só tendo uma parceria não existe muita informação a absorver…

    Mas na verdade, creio que conseguiste passar muito bem aquilo que passa pela cabeça de quem tem, de facto, parcerias… 🙂

  9. Olá Patrícia!

    Olha, é verdade – é mais outra perspectiva deste assunto e com a qual eu concordo. Tenho de dizer que só 3 ou 4 blogues que dão primazia à publicidade é que eu sigo com mais atenção. Os outros, muitas das vezes nem passo lá, ou é raro. A verdade é que acabo por me sentir cansada de ver tanta publicidade aos livros e eu gosto de me sentir livre em todas as minhas escolhas. Tendo uma parceria isso não aconteceria, não só porque encheria o meu blogue com publicidade bem como depois tinha de andar a ler “obrigada” e isso é uma chatice!

    Concordo contigo também quanto à questão da relação entre o leitor e o blogger, mas a verdade é que isso depende muito de pessoa para pessoa. Conheço várias pessoas onde o único objectivo que têm é participar nos passatempos e mais nada, não lhes interessa as opiniões… portanto, não se pode agradar a todo o público, não é?
    Boas leituras também, beijinhos! =)

  10. Filipa,
    É bom saber que existem outras pessoas que de certo modo partilham a nossa opinião. Confesso que já me senti tentada a pedir parcerias só pela possibilidade de ler livros novos, no entanto, tal como tu comecei a pensar nos pontos contra. Primeiro, todas a minhas opiniões são extremamente pessoais e reflectem apenas o meu gosto enquanto simples leitora. É contra os meus princípios fingir que gostei de um livro só para agradar alguém ou para não ferir susceptibilidades. Quando afirmo que gosto é porque gosto e quando não gosto também o expresso. Só o simples facto de que uma parceria poder por em causa a minha liberdade de expressão me faz desistir antes mesmo de tentar. O meu blog é pequeno e novinho e apenas o iniciei porque uma amiga me disse que todas a opiniões são importantes independentemente de serem negativas ou positivas, por isso, faço sempre o possível por ser o mais sincera possível. Há uns tempos, fiquei triste quando me apercebi que alguns dos blogs que seguia mais afincadamente se limitavam apenas a expor os pontos fortes e positivos dos livros, deixando de fora tudo o que os pudesse inferiorizar, lamentavelmente desisti de os acompanhar tão regularmente. Isto não quer dizer que seja contra as parcerias, nem significa que tenho dor de cotovelo por não ter uma, apenas me faz ter mais atenção quando leio certas opiniões. Uma coisa é certa, se não fosse pela publicidade de alguns dos blogs eu nunca tinha conhecimento do lançamento de certos livros.

  11. Acho que deves continuar o trabalho que tens feito no teu blogue e acho que tens motivos para te orgulhares dele exactamente como ele é.
    Também deixei de prescindir visitas mais regulares a alguns blogues que começaram por ser uma coisa e hoje são outra e acabo por dar mais valor àqueles que me dão uma opinião mais sincera e o mais honesta possível, porque algumas delas até acabam por decidir as minhas próximas leituras/compras..
    Como já disse no outro comentário, a diversidade da blogsfera é importante e nesse sentido acabamos por ganharmos também com o facto de existir publicidade, embora eu tenha outras maneiras de estar a par das novidades sem ser exclusivamente num blogue literário – há as newsletters das editora, o facebook que hoje em dia é uma biblioteca de info a circular à velocidade da luz, há o GR… enfim, há tantas outras alternativas que a publicidade só dos blogues também acaba por massacrar um pouquinho! =)

  12. Olá Filipa,
    Percebo a tua indecisão e concordo com o teu ponto de vista, tal como concordo (ou gosto de visitar) com as responsáveis pelos blogs que têm parcerias.

    Nestes casos, e falando por mim, acho que blogs como o teu primam pela simplicidade e pêlo facto de serem tão pessoais.
    Este blog têm o teu cunho pessoal, és tu e só tu que actuas nele e os leitores (como eu) vêm em busca de opiniões sinceras descritivas e claras. Como tens um leque de géneros literários bastante alargado, vêm também em busca de novas leituras, algo que tenham medo de experimentar, mas que lhes possa interessar pelas opiniões que teces.
    Eu própria já o fiz, em alguns casos partilhei da mesma opinião, outros não. Mas é por isso que os blogs literários têm a sua magia, cada blogger tem o seu gosto, a sua maneira de escrever, de pensar e de sentir. E isso dá ao leitor uma grande margem de comparação entre opiniões.

    Com isto quero dizer que, no teu caso, simplesmente adoro como o Labirinto está, como funciona, as rubricas e a a forma pessoal como é conduzido. Não és ofuscada pela publicidade, pelos passatempos, pela divulgação das novidades (o que para mim não é uma coisa má, mas há tantos com tudo isso, que o teu se destaca pela diferença, neste aspecto).
    No entanto, caso decidas aderir às parcerias, não penso que deixasse de ser uma mais valia, e sem dúvida dava dinamismo ao blog.
    Portanto a escolha é tua, e qualquer que seja vou continuar a ler 🙂

  13. Olá Filipa,

    Não pude deixar de comentar este teu post. Como sabes sigo o teu blog quase desde o início e sempre gostei muito de passar por aqui. Gosto do que escreves e das opiniões que dás. Este artigo não foge à regra.

    Como bem sabes, a realidade o blog Morrighan, com o tempo, acabou por se tornar um pouco diferente do que era inicialmente. Começou por ser um lugar pessoal, de desabafos e opiniões pessoais, para crescer e tomar uma dimensão que nunca pensei tomar.

    Acho que é possível chegar a um equilíbrio, sabes? Ter parcerias editoriais e ao mesmo tempo o espaço continuar a ser teu, com a tua marca, as tuas opiniões. O Blog Morrighan já teve imensas parcerias editoriais. Com o tempo, umas deixaram de o ser, e, confesso, hoje em dia só tenho parcerias com as editoras que sei que são sérias e que primam pela qualidade.

    Vou-te ser sincera, eu continuo a ler o que quero. Aliás, as editoras enviam-me os livros que eu peço e não o contrário, tirando uma ou outra excepção. E mesmo nessas excepções, sou eu que tomo a decisão final de se quero ler ou não esse livro.

    Isto pode-te parecer arrogante, mas há uma realidade que talvez os bloggers não se apercebam, mas eu que ando nisto há dois anos e meio (embora o blog vá fazer quatro), tomei consciência que as editoras precisam mais de nós do que muitas vezes dão a parecer. Esta publicidade gratuita, o destaque que se dá aos seus livros, tem como consequência um lucro brutal para elas.

    Do meu ponto de vista, tu podes ter parcerias e falar aquilo que sentes sobre os livros que te enviam. Quando as editoras aceitam enviar os livros, sabem que o fazem sob sua conta e risco. Eu quando não gosto, digo que não gosto. Nunca nenhuma editora se queixou dos aspectos negativos que apontei aos seus livros. No máximo disseram-me 'espero que gostes mais do próximo'.

    Em relação à publicidade que se faz aos livros, sim, por vezes é exagerada. E embora a relação com as editoras não seja só receber, mas também dar, eu só faço publicidade aos livros que sei que vou ler ou que quero ler. Recuso-me a fazer publicidade de tudo o que me chega ao mail do blog. Mas isto é uma posição minha. Quando alguma editora se queixar, bem, peço imensa desculpa, mas azar o dela. O espaço é meu e eu tenho que me sentir bem com ele e no que ponho nele. Até porque o blog não é, de todo, só sobre livros.

    Desculpa este pequeno testamento.

    Um grande beijinho e continuação de bom trabalho!

  14. Percebo-te perfeitamente, melhor ainda depois de já ter passado pela experiência de parcerias, numa altura em que as editoras ainda davam pouco espaço a este tipo de contacto com os leitores. Com o passar do tempo, a obrigatoriedade foi pesando cada vez mais e a gota de água foi quando uma das editoras “pediu” que, por ocasião do lançamento de um livro seu, publicasse um post de divulgação, depois mais não sei quantos posts por cada parte do livro e ainda que colocasse um link para a página do livro no seu site. Dei por mim a pensar: mas afinal quem é que decide o que se publica no meu blogue?

    É uma questão pertinente. Eu gosto muito de seguir blogues de livros, mas contam-se pelos dedos de uma mão (e ainda sobram) os que sigo e que dão primazia à publicação de novidades e opiniões de livros “oferecidos” pelas editoras. É que em muitos deles o que vejo é, invariavelmente, opiniões positivas sobre esses livros, escritas sem perspetiva crítica nenhuma. Pessoalmente, o que procuro num blogue sobre livros são opiniões sinceras e bem fundamentadas que me possam ajudar a encontrar leituras que valham a pena ou deixar de lado outras que não interessem.

    Mas pronto, cada um é livre de fazer do seu espaço aquilo que entender e todos são livres de visitar os espaços que mais lhe agradam 🙂

  15. Obrigada por todos os elogios que fizeste aqui ao cantinho, Catarina! Como disse, tenho muito orgulho aqui do meu hobby e dá-me imenso prazer ver que as pessoas gostam de o visitar.. Quanto às parcerias isto foi apenas um desabafo que acabou por se decidir /esclarecer sozinho (os contras acabaram na minha cabeça por pesar)… o Labirinto fica como está, com o seu cunho pessoal. =)

  16. Olá Sofia! Não peças desculpa, porque o testamento valeu mais que a pena e gostei muito de o ler. Acho que foi um contributo que me ajudou a perceber um pouco mais do outro lado, que também é importante para ficar com as ideias claras na cabeça.

    E é verdade que concordo com tudo o que dizes, mas também sei que o Morrighan é um dos poucos blogues que mantendo parcerias editoriais activas consegue manter o seu cunho pessoal. Já vi outros que parece (de quem vê de fora) que perderam o seu rumo, ou então será sempre uma escolha e novos objectivos por parte dos bloggers, mas a verdade é que é um assunto que me continua a fazer confusão ver blogues exclusivamente (ou quase) direccionados para a publicidade que às vezes nem tem nada que ver com a temática do blogue e é isso que acaba por me deixar completamente à nora nestes assuntos. Cada qual é como é e faz o que quiser com o seu espaço virtual pessoal, mas a verdade é que para mim a publicidade gratuita não faz sentido, muito menos desta forma que vejo.

    E tu és a blogger que eu conheço com o maior número de parcerias editoriais e que paralelamente a estas actividades consegue, não só manter a sua marca pessoal mas também manter o mesmo ambiente que sempre predominou no blogue e isso não é algo que se veja todos os dias na blogsfera. Daí o meu receio que algumas qualidades se possam perder por aí, devido à ofuscação que estas parcerias podem criar… não sei se tenho uma mente muito fechada mas não gosto de ver que se cria um blogue exclusivamente para publicitar algo (falando dentro do nosso campo de expertise, claro).
    Enfim, gostei mesmo muito de ter aqui o teu contributo que me permitiu esclarecer outras questões nas quais já tinha pensado!

    Obrigada, um beijinho!

  17. Olá novamente! :))

    Já sabes que qualquer coisa podes vir sempre falar comigo! A verdade é que com o tempo também tenho vindo a filtrar as parcerias editoriais. Ao início, penso que os bloggers se deixam deslumbrar com a quantidade absurda de livros que algumas editoras, de não tão boa qualidade, estão dispostas a enviar, até que de repente não conseguem ter mãos para tudo. Acredita, eu já passei por isso, não tenho vergonha de o dizer, mas também aprendes. Depois é ter determinação suficiente para se saber o que se quer do nosso espaço. Se apostamos em qualidade em vez de quantidade, se conseguimos dizer a uma editora ou não que não queremos mais livros deles, etc etc.

    O blog Morrighan não foi criado para ser um espaço editorial, embora agora até uma publicidadezinha da wook tenha, mas só para os livros que mais gostei de ler. Quanto a divulgações literárias, nas primeiras semanas de parcerias, há muito tempo atrás, também caí na ingenuidade de postar mais do que o que devia. Mas lá está, aprendemos e reeducamo-nos e às editoras.

    Hoje em dia já só tenho parcerias estáveis e sérias com no máximo 7 ou 8 editoras, embora já tenha tido muito muito mais. Chamem-me arrogante ou elitista, mas chega-se a um ponto em que temos mesmo de ter consciência do que queremos para o nosso espaço.

    Fui eu quem começou a febre das entrevistas via mail na blogosfera, fui eu quem começou uma série de iniciativas de divulgação de autores portugueses e tudo mais e, embora raramente me seja dado esse crédito, não me importo. Importo-me em manter a personalidade do meu blog.

    Muitos já me disseram que eu devia mudar o blog, para algo mais moderno, menos escuro, mais 'alegre'. Então e a entidade do blog? Aquilo que o caracteriza? Mando ao ar só porque sim? Normalmente os leitores que me sugerem isso são os que lá vão só por causa dos livros… Mas lá está, aquilo é um blog pessoal (até está escrito logo ao início debaixo do avatar e tudo) e não um blog literário…

    Desculpa mais um testamento em tom de desabafo.

    Obrigada e um grande beijinho!

  18. Falaste num ponto interessante e no qual penso muitas vezes: um blogue que tenha parcerias acaba inevitavelmente por atrair pessoal que só lá vai para ganhar livros e não porque quer lá mesmo ir. Está certo que se calhar alguns deles acabam por seguir o blogue com regularidade porque gostaram do que viram, mas de certeza que existe uma percentagem que vai lá porque está à espera de “receber” algo em troca.
    E penso muitas vezes nisso: eu comecei o blogue para mim, primeiro que tudo. Gosto no entanto de saber que as pessoas que o visitam procuram algo mais do que a possibilidade de receberem algo em troca.
    É o que eu procuro noutros blogues – o ter a consciência de que vou ganhar algo com aquela experiência. Mas algo que não é material, procuro antes que os outros blogues me acrescentem algo até porque só ganhei um passatempo na minha vida 😛

    Enfim… isto é uma questão que é capaz de permanecer ainda durante algum tempo na minha cabeça, mas é muito bom ter diversas perspectivas neste assunto. 😀

    um beijinho sofia, continua e acima de tudo, não mudes a identidade do teu blogue… mantém-te fiel a ti mesma!

  19. “É que em muitos deles o que vejo é, invariavelmente, opiniões positivas sobre esses livros, escritas sem perspetiva crítica nenhuma. “

    Isso é muito interessante… perguntei-me a mim mesma sobre isso, devido ao lançamento Darling Jim. Nessa altura, foi impressionante a quantidade de publicidade que vi nos blogues que por aí andam e sem surpresa nenhuma, as opiniões claramente positivas. Fiquei logo desconfiada. Acabei por ler um livro, apenas porque não acreditava que o livro fosse assim tão bom e inconscientemente pensei sempre que havia ali gato e enfim… a verdade é que acabei por não gostar muito do livro. Não querendo contrariar a veracidade das outras opiniões, mas a verdade é que na altura da divulgação só se via opiniões positivas. E quem fala neste exemplo, fala noutros iguais…

    Mas como dizes, cada um é livre de fazer o que escolher e será sempre assim.

  20. Olá Filipa 😉
    Acabei de ler este post! Comecei por colaborar n'Os Livros Nossos, voei até ao Tertúlias e agora tenho um espaço meu… é muito pessoal, mas tem-me feito bem! Mas continuo a colaborar os outros!

    Enviei email a 3 editoras, sem muitas esperanças, o blogue ainda nem tem um mês! Se conseguir tudo bem, se não, não faz mal… o blogue é pessoal e gosto do que lá meto… tal como tu! nem sei se me conseguiria comprometer, acabo sempre por nunca levar avante os blogues… talvez este seja o “tal” 😉 adorei o teu artigo, é muito motivador!

    beijinho* e continua!!

  21. Olá Ray! Realmente, és uma blogger muito viajada. Mas fazes muito bem, porque a colaboração com outros espaços é interessante e o Tertúlias e Os Livros Nossos são isso mesmo, dão espaço para a colaboração. Eu aqui não faço isso, porque como dizes é um espaço pessoal e hoje em dia, é o facto de saber que é um trabalho meu que me continua a motivar, sempre… 😀

    Mas um blogue sendo pessoal, o “dono” é que sabe o que quer fazer com ele e se as parcerias são um objectivo a atingir, força!
    Espero que mantenhas o blogue, está uma ideia gira! 😀 Fico a torcer para que seja o tal e fico contente que te tenhas sentido motivada com o meu pequeno desabafo! 😀
    Beijinho!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s