Breve História de Quase Tudo

Uma viagem pela ciência, divertida, prática e muito bem documentada.

Uma pesquisa digna de um mamute, anos de investigação e como resultado… o Big Bang, os dinossauros, o aquecimento global, a geologia, Einstein, os Curies, a teoria da evolução, a gasolina com chumbo, a teoria atómica, os quarks, os vulcões, os cromossomas, o carbono, os organismos ediacaranos, a descontinuidade de Moho, o ADN, Charles Darwin e um zilião de outras coisas. Em linguagem não demasiado científica, sempre clara e com as devidas anotações, o leitor é conduzido, por este autor extremamente divertido e bem informado, numa viagem através do tempo e do espaço, cujo prato forte é também revelar-nos algumas ironias do desenvolvimento científico. Esta é verdadeiramente uma obra que nos dá a sensação de ter o mundo na palma da mão.

ISBN: 9789722522335 – 11×17 (Bertrand Editora) / 2010

Quem nunca se perguntou de onde é que nós vimos? Quem é que nunca se perguntou sobre a origem da raça humana? Quem é que nunca se perguntou como é que o nosso planeta chegou ao ponto onde se encontra agora? 
Estas são algumas das perguntas que sempre me passaram pela cabeça. Quando a curiosidade apertava demasiado, as perguntas eram proferidas mas sempre senti que as respostas nunca foram suficientes para saciar o meu interesse. Mas sejamos honestos – eu sou uma cidadã muito simples, com interesses variados, mas que não percebe nada da área de ciências e por muito que tentem pôr-lhe a tabela de elementos à frente para ela decorar, ela não consegue. 
Contudo, a sua mente é curiosa e debate-se para aprender novas coisas, para encontrar novas fontes de conhecimento em vários sítios. Felizmente, esta leitora ainda continua na idade dos porquês. E ainda bem, porque finalmente encontrei um livro tanto didáctico como simples o suficiente para uma leiga como eu o conseguir decifrar. 

Breve História de Quase Tudo é uma obra que fala sobre exactamente o que o título nos diz. É uma viagem breve ao nosso mundo e a todo o conhecimento que paira sobre nós e que por vezes, nos passa ao lado por não estar tão acessível quanto nós queríamos que estivesse. É um pequeno calhamaço de quase 800 páginas, onde o leitor pode descobrir muita coisa nova, de uma forma dinâmica e feita com um relato muito divertido.

Bill Bryson, um aclamado autor de não-ficção com já várias obras publicadas em Portugal, acabou por me surpreender de uma maneira incrível. Antes ainda de começar o livro, senti algumas dúvidas quanto a este livro, apesar das boas opiniões que já tinha lido sobre o mesmo. 
A verdade é que eu ingenuamente pensava que um livro tão extenso quanto este e ainda por cima exclusivamente sobre assuntos científicos, deveria ser uma seca absoluta. Contudo, tenho que reconhecer que o livro tinha ganho em 2004 o Prémio de melhor obra de divulgação científica e isso com certeza devia significar qualquer coisa – boa ou má, isso permanecia um mistério. 
E finalmente larguei todas as minhas dúvidas e pensei: ” O pior que pode acontecer é eu demorar um ano a ler este livro”. Acabei por demorar 4 meses a ler, mas a verdade é que valeu a pena!

Vamos então por partes. O livro tem uma lógica dentro de si, desenganem-se aqueles que pensam que o livro é um “despejar” de factos aleatórios sobre o nosso planeta, uma colecção de dados científicos sem qualquer explicação ou sentido. 
É exactamente o contrário. O livro tem uma espécie de cronologia e o autor organizou muito bem a estrutura do livro. Só depois de estabelecer essa cronologia é que ele pega em factos, que de aleatórios não têm nada, e explica-nos o que isso significa… E sim, explica como se tivéssemos mesmo 5 anos. 
Isto é uma questão fundamental neste livro, porque a não ser que sejamos entendidos na matéria, acabamos por não perceber nada daquilo que o autor nos está a dizer. O objectivo deste livro é mostrar ao leitor quão pouco conhecemos a nossa casa e o quanto podemos aprender, não fazer o leitor sentir-se burro e completamente ignóbil.

Confesso no entanto, que os primeiros 2/3 capítulos foram de difícil adaptação. Nunca tinha lido um livro do género e por isso tive não só que me ambientar a um ambiente de não-ficção, factos científicos e etc. E eu, que odeio ciências! 
A verdade é que adorei este livro e ao chegar ao fim, posso afirmar que embora não tendo absorvido a montanha de factos interessantes que aprendemos neste livro, alguma coisa aprendi e fiquei igualmente interessada em ler mais livros do autor. 

A sua escrita é brilhante e consegue motivar o leitor devido ao seu humor e à forma dinâmica como interage com o leitor, apenas recorrendo a palavras. Creio que isto é um espanto e este autor foi uma descoberta maravilhosa para mim. 
Já tenho preparadas outras obras do senhor para poder aprender mais ao mesmo tempo que solto umas gargalhadas. 

   

7 thoughts on “Breve História de Quase Tudo

  1. Ola =) e Feliz Ano Novo!

    Criei um cantinho para as minhas leituras e gostava que fosses la dar um pulinho, se pudesses. =P

    Ate porque preciso de ter seguidores para poder ter parcerias com as editoras. Se puderes ajudar desde já agradeço.

    De qualquer modo continuo a vir aqui para saber das novidades e participar nos passatempos.

    http://livrosechaquente.blogspot.pt/

    Bjinhos

  2. Exacto, há pessoas que passaram a correr pela nossa vida e há pessoas que eram estáveis, mesmo muito estáveis e do dia para a noite, desaparecem! Não é de certa forma justo, não sei :s *
    Já leste o Diário de Anne Frank?

  3. Eu explico-te!
    Eu leio imenso, acabei agora de ler o “Quantas Estrelas tem o céu” e o meu blog, deriva de um filme e nesse filme, os jovens lêem esse livro!
    Gostava de o ler também! *

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s