O Quarto de Jack

O quarto é um lugar que nunca vai esquecer; o mundo é um sítio que nunca mais olhará da mesma maneira.

Para Jack, de cinco anos, o quarto é o mundo todo. É onde ele e a Mamã comem, dormem, brincam e aprendem. Embora Jack não saiba, o sítio onde ele se sente completamente seguro e protegido, aquele quarto é também a prisão onde a mãe tem sido mantida contra a sua vontade. Contada na divertida e comovente voz de Jack, esta é uma história de um amor imenso que sobrevive a circunstâncias aterradoras, e da ligação umbilical que une mãe e filho.


ISBN: 9789720043436 – Porto Editora / 2011

O Quarto de Jack escrito por Emma Donoghue, foi uma obra finalista do Man Booker Prize de 2010. A primeira vez que vi este livro, foi numa das minhas infindáveis idas a uma livraria. A capa original é bastante cativante e esse foi um dos factores que me fez, na altura, trazer o livro para casa. Mal sabia eu que meses depois a editora Porto Editora iria apostar na publicação desta obra. 
Gosto sempre de ter as opiniões (tanto recentes quanto antigas aqui no meu blogue) e por isso mesmo, decidi desenterrar a minha opinião acerca deste livro, fazendo o aviso de que li a edição original. No entanto, não quero deixar de vos mostrar o que pensei sobre este livro. Assim, deixo-vos com o que escrevi na altura, sobre O Quarto de Jack.   

Este é o primeiro livro que leio da autora. Ela só tem 2 trabalhos de ficção, sendo este o mais recente. 
Bem, o que é eu posso dizer sobre este livro? …

Quando penso no livro em geral e não só em partes específicas, só posso dizer que o livro é interessante. É verdade, não é muito entusiasmante, mas é o que eu acho. 
No entanto, não se esqueçam que esta é só a minha opinião e a minha percepção do livro. Outras pessoas que leiam a mesma obra poderão não achar o mesmo. 
Mas quando acabei a leitura do livro, comecei a pensar para mim : ” Não percebo qual é a excitação”. Tudo isto porque o livro está a ser realmente um sucesso lá fora e cá estou a achar que o livro não é assim tão merecedor de tanta admiração. 
Não é uma obra-prima, com certeza. É bom o bastante para entreter os leitores com um enredo que é suposto emocionar quem o lê, isso sim. Mas não passa muito mais disso. 

Na capa da minha edição, este livro vem comparado ao livro Visto do Céu, da autora Alice Sebold. Para quem já leu o livro, sabe do que se trata. 
Para quem não leu e só para ficar com uma pequena noção do que se trata, é um livro muito sensível, porque fala de uma situação de rapto, mas também um crime horrendo sendo que a vítima é uma criança de 12/13 anos. 
Bem, eu já li o livro e realmente adorei o livro todo. Para mim, foi um livro muito especial. Ao que eu quero chegar com isto é que estes 2 livros são comparados, por tratarem de assuntos semelhante – rapto + crime – e o facto de serem narrados pelas crianças que são vítimas destes actos. 
Mas as semelhanças acabam por aí. 

Devo confessar primeiro que só comprei o livro por causa das críticas que tem conseguido “amealhar” e também por ter sido comparado ao livro da Alice Sebold, porque pensei que poderia ter outra oportunidade de ler um livro tão bom quanto esse. Não foi bem assim no final, mas também não posso afirmar que desgostei da leitura deste livro. 

Posso certamente dizer que nunca li nada igual. O livro está composto por 5 grandes capítulos, que representam os 5 passos que a Ma e o Jack vão ter de dar nesta sua jornada. 
É um livro por vezes triste, assustadoramente real mas acho que lhe faltou ali mais sentimento ao relato. Eu como leitora, não me emocionei, como aconteceu no outro livro. Faltaram aqui sentimentos mais fortes. 
Estas 2 personagens estão a viver uma situação difícil e a autora não deixa passar esses sentimentos cá para fora. Até chega a parecer que os personagens estão dormentes. Enfim, gostava que tivesse havido mais sentimento.
Não obstante, consigo compreender as atitudes dos 2 personagens principais e até do miúdo de 5 anos, que é um ser-humano muito peculiar. 
A verdade é que cheguei ao fim do livro sem sentir uma verdadeira relação com os protagonistas. Nem vou sentir falta deles, receio, como sinto com outros personagens de outras obras. 
Fico contente, no entanto, que a autora tenha tido capacidade de criar este enredo e estas personagens que são difíceis de criar, porque são muito complexas e que tem um percurso de vida que pouca gente pode dizer que já experienciou. 

As minhas notas finais – foi um bom livro, mas não fantástico. Foi morno, considerando tudo. 
Mas se alguém gostar de um livro emocional, com um enredo original, é um livro com o qual se pode passar uns bons dias. 
No entanto, se já se tiver lido o livro Visto do Céu da Alice Sebold e se vai à procura de uma experiência igual, é preciso saber que os livros não têm nada que ver senão meras coincidências nas circunstâncias de vida de alguns personagens.




Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s